Capítulo 23: Press Play

Finalmente o último trabalho do semestre estava devidamente entregue sobre a mesa do professor. O artigo individual fora muito mais complicado para Changmin que tivera de se esforçar duplamente para que seu trabalho ficasse em um nível mais próximo do que seu namorado estava habituado a fazer. Ele sabia que não ganharia a nota máxima, pois aquele professor não gostava de si, mas não duvidava que Kyuhyun ganhasse.

Ao contrário de alguns professores intolerantes, aquele docente parecia ter um carinho especial pelo namorado de Changmin. Ele passava o final da aula explicando à Kyuhyun suas linhas de pesquisa no seu doutorado de inferência estatística assunto o qual o rapaz tinha interesse, além de ter aptidão para tal. Nos últimos três meses, Changmin o esperara do lado de fora, para ver seu amado sair da aula com um largo sorriso nos lábios contando-lhe as mais complicadas teorias e inovações em economia.

Naquela sexta-feira eles tiveram apenas meio período de aulas, pois uma reunião de emergência fora convocada para os professores de seu curso, assim os alunos haviam sido dispensados. As férias de meio de ano estavam deliciosamente próximas e a medida que os trabalhos e provas iam desaparecendo, eles iam sentindo-se mais livres. Changmin esperava seu namorado do lado de fora, com uma versão atualizada de Romeu e Julieta em suas mãos. Kyuhyun se despediu do professor e saiu a passos largos em direção ao seu distraído namorado.

Changmin sentiu seu perfume pouco antes de sentir o rapaz envolver sua cintura, chamando sua atenção. Kyuhyun fechou o livro que o outro rapaz segurava e abriu um sorriso discreto para ele que acariciou seu rosto com a ponta dos dedos. Eles uniram os lábios em um selar rápido antes de saírem dali calmamente, enquanto Kyu abria seu discurso sobre o que ele e o docente conversavam em sala de aula. Changmin ouvia tudo atentamente, vez ou outra lhe fazendo perguntas pertinentes.

Eles seguiram para a casa de Changmin onde Kyuhyun passaria o resto da tarde até chegar o horário de seu trabalho. Eles cogitaram sair, mas o mais alto tinha maiores planos para o tempo livre deles. Assim que o assunto acadêmico se esgotou, Changmin já em seu carro, retomou o tema de uma conversa que eles tiveram no meses antes. Kyu surpreendeu-se com tal mudança de assunto, mas acabou gostando do rumo que a conversa seguiu:

– Kyunie, lembra que nós combinamos que conversaríamos mais sobre sexo?

– Faltou tempo para isso esses meses. – Disse Kyuhyun entre risos. – Você quer conversar?

– Nós falamos de fetiches da outra vez, você se lembra? Você ainda não me disse quais são os seus fetiches.

– Você também não. – Acusou Kyu. – Eu não tenho muitos fetiches, Changminie, eu gosto de ser dominado e você sabe disso. Pra mim, quanto maior a dominação, melhor.

– Nós vamos descobrir os seus fetiches, Kyunie. Quer saber os meus?

– Quero. – Sorriu Kyuhyun.

– Meus pais me mandaram uma câmera digital do Japão essa semana, e você sabe que eu gosto de filmes pornográficos né?

– Aonde o meu Changminie quer chegar?

– Eu quero saber se você topa gravar nós dois, transando.

– Depende. Quem vai assistir ao vídeo depois?

– Só nós dois, Kyunie, eu não vou mostrar para ninguém. – Afirmou Changmin. – Vamos, Kyu, eu quero ver você em um filme, vai ser divertido.

– Nós podemos tentar, se depois ficar bem escondido. – Disse Kyu com ar animado. – Changminie, por que nós não arriscamos um pouquinho?

– O que você quer?

– Que você reduza a velocidade, e entre em uma via menos movimentada. – Disse Kyuhyun com um sorriso lascivo, retirando o óculos do rosto e desprendendo o cinto de segurança. – Preste atenção no trânsito e afaste um pouquinho os joelhos.

Changmin suspirou profundamente e obedeceu as indicações de seu namorado, adentrando em um caminho alternativo para seu apartamento, em uma rua residencial e pouco movimentada para o horário. Kyuhyun virou-se no banco e se apoiou em seus joelhos, se sentando sobre seu calcanhar, tentando não aparecer pela janela. Sua cabeça passou-se por baixo do cotovelo do outro e se aproximou de seu abdômen.

Changmin suspirou profundamente sentindo os dedos ágeis de seu namorado abrirem o botão de sua jeans e calmamente baixar o zíper da mesma, beijando seu membro por cima das roupas. O mais alto se esforçava para não desviar o olhar, e isso deixava seu tato ainda mais aguçado. Ele sentiu os lábios macios de Kyuhyun estalarem um beijo sobre seu membro antes do rapaz afundar o rosto contra sua pélvis e liberar seu hálito quente que se espalhou pela virilha do rapaz.

A pele de Changmin se arrepiou e sua boca ficou seca, seu inconsciente precisava de um beijo, precisava tocar Kyuhyun, mas estar dirigindo o impedia de realizar seus desejos. Kyu afastou o rosto brevemente para poder baixar a roupa íntima do rapaz que mantinha sua atenção na rua a frente, mantendo certa velocidade para que seu carro não chamasse a atenção. Kyu segurou seu membro entre os dedos e o massageou de cima a baixo, deixando a pele macia do mesmo escorregar entre seus dedos.

O membro de Changmin ganhou volume e rigidez rapidamente com as carícias de seu namorado e logo que este atingiu sua ereção completa, Kyu o envolveu com os lábios e o afundou contra sua garganta, o sugando com firmeza. As mãos de Changmin apertaram o volante até que os nós de seus dedos ficassem esbranquiçados. O veículo fez uma curva e o rapaz entrou na rua de seu apartamento, guiando-se instintivamente .

Os lábios de Kyu faziam um trabalho rápido e preciso sobre o membro de Changmin. Sua língua o envolvia, o umedecendo e dando mais atenção à glande, enquanto sua cavidade bucal úmida e quente se fechava contra o membro do outro. Enquanto um de seus braços dava-lhe apoio para que o balanço do carro não o derrubasse do banco, a mão livre envolvera os testículos do rapaz e ele os massageava com destreza, os pressionando e aliviando.

O rosto de Kyuhyun ganhou velocidade, subindo e descendo contra o membro do outro e seus lábios levavam consigo a pele fina que encobria e revelava sua glande. Kyu se afundava contra o membro do rapaz até este tocar sua garganta e finalmente ele voltava evitando assim ficar nauseado com o movimento. Ele sentia as coxas de Changmin ficarem tensas, assim como o abdômen do outro enquanto o mesmo mordia o lábio inferior com força, para evitar gemer alto.

“Você chupa tão gostoso, meu príncipe.”

Kyu teria sorrido, não fosse sua posição submissa que ele tanto gostava. Como agradecimento ao elogio, ele tratou de aumentar a velocidade de seus movimentos, desejando levar Changmin ao seu orgasmo. Finalmente eles estavam na quadra de Changmin, e ele não sabia mais por quanto tempo conseguiria dirigir sem desviar o veículo em direção a uma árvore. O rapaz levou o carro em direção ao estacionamento, sentindo suas pernas enfraquecerem.

Ele não se importou quando passou pelas câmeras de segurança, apenas desejava parar o carro e dar fim àquilo. Kyu não tinha piedade de seu psicológico e não parecia se importar com a falta de capacidade do rapaz de manobrar o veículo em sua vaga, ele o sugava tal qual seu doce favorito. Enquanto sentia seu pré-gozo escorrer para a boca do outro sem controle algum, ele arranhou a porta de seu carro contra uma das pilastras que demarcava a vaga.

Changmin tinha um apreço especial por aquele carro, mas naquele momento ele não se importou com seu deslize. Ele percebeu que não aguentaria, que não conseguiria estacionar decentemente, que seu sêmen já percorria a veia principal na parte inferior de seu membro, enquanto aquela sensação gelada e deliciosa em seu baixo ventre ganhava intensidade, sem que nada ele pudesse fazer para impedir.  Ele soltou o volante, puxou o freio de mão e depois afundou seus dedos nos cabelos do rapaz.

Changmin explodiu em um gozo delicioso e único, seu corpo tremeu e de seu membro jorradas de sêmen saíram direto para os lábios de Kyu que o engoliu prontamente. Sem deixar uma gota sequer escorrer, Kyuhyun se manteve na mesma posição até que o orgasmo do rapaz se dissipasse e ele finalmente pudesse se afastar, ainda sentindo aquele sabor agridoce em sua boca. O menor limpou os lábios com as costas da mão e voltou a se sentar ao lado de seu namorado ofegante.

Changmin livrou-se do cinto de segurança e fechou seu zíper antes de recostar a nuca no assento para descansar. Kyu sorriu-lhe e o puxou para que o rapaz deitasse em seu ombro e ele finalmente pudesse acariciar os cabelos do mesmo deixando que ele relaxasse em seus braços. Aos poucos a respiração de Changmin foi normalizando e seus batimentos cardíacos voltaram ao seu ritmo costumeiro.

– Tudo bem, Changminie?

– Eu arranhei meu carro, vou ter que sair pela outra porta porque não tem espaço aqui, eu quase bati o carro, mas sim, está tudo ótimo. – Riu-se Changmin.

– Foi gostoso, não foi?

– Uma delícia. – Concluiu Changmin. – Vamos entrar, eu quero terminar isso no meu quarto.

– Você vai me filmar hoje?

– Essa é a ideia. – Afirmou Changmin, destrancando as portas. – Vamos?

Kyuhyun riu-se e saiu do veículo, jogando sua mochila sobre os ombros, e seguindo para o elevador. Changmin ignorou o arranhão no carro e acompanhou o rapaz, desejando o mais rápido possível chegar ao seu apartamento. Eles estavam sozinhos, uma vez que Jaejoong ainda estava em aula, ainda assim a porta do quarto de Changmin foi trancada assim que eles adentraram o local.

Assim que adentrou o quarto, Kyu foi ao banheiro, dizendo ao seu namorado que não demoraria. Changmin sentou-se em sua cama e pegou o presente de seus pais, ligando a câmera que tinha sua bateria totalmente carregada. Ele encaixou seus dedos no apoio para que não escorregasse de sua mão e abriu a pequena tela lateral. Ele apertou o botão gravar e uma luz vermelha se acendeu, o deixando satisfeito.

– Sorria!

– Changmin-ah! – Ralhou Kyuhyun, assim que viu o outro com a câmera apontada para si.

– Kyunie, por que você não coloca os seus óculos?

– Por que?

– Porque você fica lindo com eles e eu quero te ver de óculos.

“Eu fico com cara de nerd.” Kyu reclamou, mas seguiu até sua mochila, retirando desta os óculos de grau de armação azul escuro e retangular. Ele o colocou no rosto e mostrou a língua a Changmin que riu por trás das lentes. Kyu se aproximou da cama, se ajoelhando sobre a beirada da mesma e sentando-se sobre os seus calcanhares.

– Está melhor assim, senhor diretor?

– Muito melhor. – Changmin fitou Kyu focalizado em sua tela e finalmente aproximou o foco do rosto do rapaz.

– O que você quer que eu faça? Eu não sei atuar.

– Eu não quero que atue, quero que haja naturalmente. – Changmin voltou afastar o foco quando Kyu se moveu sobre a cama.

– Como? Quer que eu vire de costas e mostre um pedaço do meu bumbum igual naquelas revistas? – Kyuhyun ajoelhou-se sobre a cama, virou-se de costas e puxou o passante de trás de sua calça para baixo, revelando parte de suas nádegas. – Ou prefere que eu faça cara de dor como nos filmes japoneses e diga gemendo e lacrimejando “Kimochi!”.

– Então você também assiste pornô, seu safado!

– As vezes, quando quero sair da rotina. – Confessou Kyuhyun voltando a se sentar de frente para a câmera. – Só que você assiste mais do que eu.

– Acho que sim. Estranhamente o primeiro filme que nós vamos assistir juntos será protagonizado por nós mesmos.

– Espero que não seja decepcionante.

– Eu tenho certeza que não vai ser. – Changmin lambeu os lábios e se arrastou pela cama, se aproximando brevemente do rapaz. – Vamos começar? Tire a sua camisa.

Kyu sorriu com um dos cantos dos lábios e retirou o óculos de seu rosto brevemente para poder retirar sua camisa por cima de seus ombros. Em seguida ele os colocou novamente no rosto e afastou os joelhos, se exibindo para seu namorado. Changmin mordeu o lábio inferior, guiando a câmera para que a imagem se movesse mostrando a pele do outro e finalmente voltando para o seu rosto.

– Nós temos um problema aqui.

– O que? – Kyu arqueou as sobrancelhas.

– Você não está excitado ainda.

Kyu riu soprado para finalmente o responder, meneando a cabeça negativamente.

– O que o meu príncipe está esperando?

Um sorriso lascivo brotou nos lábios de Kyuhyun enquanto seu namorado relaxava recostado à cabeceira da cama, o fitando na pequena tela. O menor escorregou suas mãos por suas coxas, de fora para dentro, até que seus dedos se aproximassem de sua virilha. Kyu não mais olhava para a câmera, mas sim para suas mãos que juntas agarraram seu membro por cima das calças, deixando seu volume mais evidente.

A ponta da língua de Kyuhyun esfregou o canto de seus lábios quando ele começou a salivar, seu suspiro foi captado por Changmin e finalmente as mãos do rapaz começaram a se tocar ainda por cima das roupas. Seu membro escorregava dentro das roupas íntimas, a medida que ele o movia, amassando o tecido para que seus dedos o envolvessem. Aos poucos, a ereção ia se formando entre as pernas do rapaz e suas calças se tornando mais incômodas.

Kyu abriu o zíper de sua jeans e forçou seu tecido para que o botão saísse de sua casa, para que ele finalmente adentrasse a ponta dos dedos, esfregando seu falo ainda por cima da roupa íntima. Changmin aproximou a imagem da virilha do outro e ele pôde ver mais detalhadamente os dedos de seu namorado, buscando contato, circulando a glande, se acariciando tão intimamente que por alguns instantes o rapaz esqueceu que estava sendo gravado.

– Me mostra. – Ordenou Changmin, chamado a atenção do rapaz.

– Oi?

– Tira a roupa, Kyu, mostra esse corpo pra mim.

Kyuhyun riu-se lascivo com o pedido do outro rapaz e tratou de atendê-lo. Ele ficou em pé sobre a cama, enquanto a mão de Changmin começava a apertar seu próprio membro. O menor deixou as calças caírem até seus pés e depois chutou a peça para longe, seu polegar passou pelo elástico da boxer, a puxando lentamente para baixo. A câmera gravou cada pedaço de pele que ia sendo exposto pelo rapaz, até que finalmente seu membro aparecesse, rijo, pulsante e com a glande avermelhada.

Changmin deixou sua mão adentrar suas calças e enquanto a outra ainda segurava a câmera, ele começou a se tocar, fazendo movimentos lentos. Kyu virou-se de costas quando finalmente baixou a boxer, revelando suas nádegas claras para um excitado Changmin. Ele finalmente se voltou para o rapaz, se ajoelhou na cama e finalmente envolveu seu membro, o masturbando lentamente, exibindo e escondendo sua glande com os dedos.

A mão de Kyuhyun ganhou ritmo, e aos poucos seu corpo começou a se contorcer luxuriosamente. Seu quadril ondulava para frente contra seus dedos que formavam um túnel apertado, e seu membro forçava passagem contra sua mão. Changmin sorriu quando lembrou-se de seus momentos no carro e decidiu que já era hora de retribuir o carinho que seu namorado dedicara a si. Ele não desligou a câmera, mas a baixou quando se ergueu e se arrastou em direção ao outro rapaz.

Kyu parou seus movimentos para se sentar sobre a cama e separar suas pernas. Changmin ajoelhou-se entre as mesmas e selou os lábios de seu namorado, entrelaçando pela cintura e soltando a câmera sobre a cama para poder agarra-lo. Pelo ângulo que a tela pegava, era possível ver a mão de Changmin prontamente alisando as nádegas de Kyuhyun enquanto suas línguas se entrelaçavam e se esfregavam uma contra a outra.

Seus corpos se colaram e Changmin pôde sentir como a pele do outro estava quente e parecia ainda mais macia do que o seu natural. Ele desviou os beijos dos lábios do outro para seu pescoço, afundando os dedos em suas nádegas e depois a estapeando com firmeza, deixando sua tez irritada. Kyu sorriu contra os lábios de seu namorado, se afastando para voltar a acariciar o próprio membro.

Changmin o empurrou pela cintura para que eles se afastassem e ele pudesse finalmente cortar o beijo. Kyu mordeu o lábio inferior e deixou que seu namorado se abaixasse entre suas pernas e beijasse seu membro carinhosamente antes de abocanha-lo. Seu corpo pendeu para trás e suas mãos se apoiaram no colchão e aos poucos foram escorregando com seu peso até ele esbarrar na pequena câmera.

Kyuhyun pegou o objeto e se certificou de que este ainda estava em funcionamento, para finalmente o apontar para Changmin. Pela tela, ele via seu membro desaparecer dentro da boca do rapaz, mas ele sabia que aquelas imagens jamais traduziriam a sensação que ser sugado daquela forma por Changmin traziam para seu corpo. Seus lábios eram macios e o interior de sua boca molhavam seu membro enquanto sua língua o pressionava contra o céu da boca.

– Olha pra mim, Chang.

Changmin ergueu os olhos e se surpreendeu ao perceber que estava sendo filmado. Ele retirou o membro do outro de sua boca e tratou de escorregar a língua por toda sua extensão até a glande a qual ele circulou e pressionou. Olhando fixamente para a câmera e para seu namorado, Changmin distribuía beijos, lambidas e vez ou outra até leves mordidas por todo seu falo, para finalmente abocanha-lo de novo.

Ele o sugava com vontade, esmagando o membro do outro com seus lábios, o pressionando com a língua e o umedecendo com sua saliva da forma que Kyu mais gostava. Seu próprio membro pulsava dentro de suas calças, dolorido pelo tempo aprisionado pelas roupas e pedindo a atenção dos dedos de Changmin. Ele se movia incômodo, mas sabia que sua tortura não duraria muito mais.

Kyuhyun puxou os cabelos de sua nuca, chamando sua atenção, algo o estava incomodando naquele momento. Ele queria ver Changmin nu como ele, e o rapaz sequer havia tirado sua camisa. Ele o indicou que se afastasse de seu membro e voltou a se sentar, enquanto Changmin parava a sua frente o fitando com ar curioso, além dos lábios avermelhados e inchados pela fricção.

– Eu também quero ver você sem roupa.

A voz de Kyuhyun saiu aveludada, luxuriosa e este era um pedido que Changmin atenderia com o maior prazer. Kyu ainda apontava a câmera para ele quando sua camisa foi descartada e ele revelou seu tórax bem definido e o abdômen que seu namorado tanto gostava de lamber e abusar. O cinto de Changmin sequer foi desprendido da calça e foi ao chão juntamente com a mesma, revelando sua boxer cinza com uma mancha umedecida no centro.

Kyu ainda podia sentir o sabor do outro em sua boca e desejava tê-lo em seus lábios novamente, mas ele bem sabia que Changmin tinha maiores planos para aquela noite. A roupa íntima do mais alto foi prontamente descartada e ele suspirou satisfeito quando finalmente se viu livre daquela prisão de tecidos. Kyuhyun engatinhou sobre a cama, recebendo um tapa nas nádegas quando passou por Changmin, e finalmente deixou a câmera sobre o criado mudo apontando para eles, sem ter certeza de que os focalizaria.

Changmin voltou a se recostar na beirada da cama e finalmente pegou o lubrificante na gaveta ao lado, já que Kyu sempre exigia aquela facilidade. Ao ver seu namorado com o tubo em suas mãos, Kyu sorriu em expectativa, ele se aproximou do rapaz e se sentou de frente para este com as pernas devidamente separadas. Changmin sorriu malicioso, e enquanto espalhava o gel em suas mãos, disse:

– Eu quero você de quatro e com a bundinha virada pra mim.

Kyuhyun mordeu o lábio inferior antes de se virar para o outro e empinar suas nádegas para o rapaz. Changmin ajoelhou-se sobre a cama e estapeou as nádegas do rapaz uma última vez antes de espalhar o gel por sua entrada. Kyu adorava aquela sensação fria naquela região sensível, e o dedo de Changmin explorando seu interior logo em seguida era demasiadamente delicioso. Ele já não sentia dor, por isso Changmin não se demorava a adentrar um segundo dedo em si, seus movimentos eram precisos e carinhosos.

Quando os dedos do mais alto deixaram seu interior, Kyuhyun sabia o que estava por vir e ele agarrou os lençóis, ansioso por sentir o rapaz em seu interior. Changmin ainda espalhou lubrificante por seu membro antes de posiciona-lo nas nádegas do outro e forçar sua entrada que aos poucos foi cedendo espaço. O mais alto não fora dos mais pacientes, assim seu membro escorregou com rapidez para o interior do outro.

Kyuhyun empurrou seu corpo contra o do rapaz, em um pedido mudo para que ele não o esperasse e começasse a se mover de imediato. Changmin satisfeito com tal desejo de seu namorado, o agarrou pelos quadris e saiu quase completamente de seu interior, para voltar a penetra-lo com vontade, sentindo seu corpo apertar-se esmagar deliciosamente seu membro. Finalmente, ele começou os movimentos de vai e vem, curtos, rápidos e precisos.

A força nos braços de Kyuhyun foi se dissipando e ele deixou o tronco cair, escondendo o rosto nos lençóis enquanto seu quadril se mantinha erguido. Changmin apoiou a mão em seu ombro e o puxava contra si, cada vez que seu quadril ia para frente, sentindo seu membro ir cada vez mais profundamente ao interior do outro. Os gemidos do menor eram abafados pelo colchão, mas saíam sem controle algum de suas cordas vocais. Sem qualquer aviso, Changmin saiu do interior do outro e o envolveu pela cintura, derrubando seu quadril sobre o colchão.

Kyu rolou de lado, deitando-se sobre a cama, mas antes que pudesse retomar o fôlego, Changmin o agarrou pelo pulso e o puxou para que se sentasse. O menor se deixou levar pelo outro e quando percebeu, já estava sentado sobre as coxas do rapaz que o puxava pela cintura para que se sentasse em seu membro. Quando seu raciocínio percebeu o desejo do outro, ele tomou impulso e se sentou sobre o falo do outro o deixando que o penetrasse de uma vez. Changmin gemeu alto, cerrando os dentes e imediatamente o puxando para que se movesse.

Kyuhyun pulava em seu colo, apoiado em seus joelhos e se impulsionando com suas mãos que estavam sobre os ombros do rapaz. Seu corpo subia e descia, enquanto seus cabelos úmidos com o suor voavam com seus movimentos, os de Changmin permaneciam colados à sua testa. Kyu afastou a franja dos olhos de seu namorado, e depois de diminuir a velocidade colou os lábios aos dele, enquanto ondeava o corpo contra o do mesmo.

Kyuhyun gostava de posições como as que eles utilizaram aquela noite, em que a penetração ficava mais profunda, e sua próstata era tocada pelo membro do outro com mais intensidade. Changmin sentia seu membro esmagado pelas paredes internas do corpo do outro e seu orgasmo já se aproximava, lentamente, em ondas que aos poucos iam ganhando intensidade e se tornando incontroláveis.

Kyu se movimentava lentamente, enquanto seus dedos acompanhavam a velocidade sobre seu membro, o masturbando lentamente. Kyuhyun sabia, ele conseguia ler claramente nos olhos de Changmin o quanto este desejava gozar e assim, decidiu repassar o controle da situação para o rapaz. Changmin o ajudou a sair de seu colo e fitou Kyu engatinhar sobre a cama, para por fim se ajoelhar sobre ela, apoiar as mãos no estrado e encurvar a coluna. Era certamente uma das cenas mais eróticas que Changmin já presenciara, Kyu entregue a si, desejando seu corpo, desejando aquele orgasmo tanto quanto ele.

Changmin não o faria esperar, ele se ajoelhou atrás de seu namorado e deixou seu membro se roçar nas nádegas do outro, antes de voltar a penetra-lo em uma única e certeira investida. Sua mão agarrou o membro do outro e o masturbou com vontade e na velocidade que ele sabia que agradaria ao seu namorado, que agora apenas se importava em se apoiar no estrado e sentir a invasão do outro, cada vez mais fundo e forte.

Changmin sentia-se fraco, suas pernas tremiam e ele usava a cintura de seu namorado como apoio, seu membro entrava e saia do interior do outro sem piedade alguma, fazendo barulhos estalados quando suas peles se chocavam. Ele bem sabia que aquela combinação de suas investidas, com a rápida masturbação eram o caminho para fazer Kyuhyun gozar rápido e intensamente.

Changmin conhecia aquele corpo como ninguém e reconhecia todos os sinais de quando o orgasmo de Kyuhyun se aproximava. Seus lábios permaneciam entreabertos e ele liberava gemidos mais intensos, seu corpo suava mais e ficava mais escorregadio aos toques. Kyu perdia a força em alguns músculos, e assim, sua cabeça sempre pendia para um dos lados, enquanto seus dedos se firmavam em busca de algo que o libertasse de toda aquela tensão.

Quando as descargas de adrenalina começavam, Kyu não gemia mais, ele grunhia, pois seus dentes rangiam um contra o outro e seus olhos se apertavam enquanto ele jogava todo seu peso na direção de Changmin que o segurava com firmeza, sentindo o corpo rígido do rapaz aos poucos relaxar, a medida que os jatos de sêmen eram liberados sem discriminar a direção e naquela noite, eles atingiram as mãos do mais alto.

Changmin sempre gozava poucos segundos depois de seu namorado, pois ele sempre enrijecia os músculos de suas nádegas e estes esmagavam seu membro sem piedade alguma. Não era como se ele tivesse alguma chance de se segurar diante daquela situação, assim, seu sêmen também escorria para o interior do outro que amava aquela sensação úmida dentro de si após seu próprio orgasmo.

Finalmente seus corpos se enfraqueceram e eles caíram sobre o colchão, suados, cansados, sonolentos, mas extremamente satisfeitos. Changmin virou o rosto de lado e visualizou seu namorado com a face escondida nos lençóis, seu corpo se movia buscando oxigênio e seus cabelos estavam desgrenhados, ele era a face da satisfação. Changmin sentiu o sono se aproximar e seu corpo aos poucos ia relaxando, até ele sentir as mãos de Kyu o chacoalhando delicadamente.

– Não dorme, Changminie. – Disse um cansado, mas sorridente Kyuhyun.

– Por que não?

– É sexta-feira e você me prometeu carona para o trabalho. – Explicou Kyuhyun. – Vamos, temos que tomar banho e eu não sei desligar a sua câmera.

– A câmera! – Changmin se levantou rapidamente, pois se a bateria acabasse nada daquilo ficaria gravado, e ele queria o registro daquela noite. Ele desligou o aparelho, depois fitou seu namorado que sorria para si. – Eu vou assistir com você, mais tarde.

– Eu quero ver, deve ter ficado um horror e você não disse kimochi enquanto eu te filmei.

– Eu esqueci! – Riu-se Changmin, puxando seu namorado pela mão. – Banho.

Kyuhyun levantou-se em um pulo, pois se ele deixasse a preguiça tomar conta de si, certamente não trabalharia aquela noite. Eles tomaram um banho demorado, no qual Changmin como sempre ajudou o menor a se livrar dos resquícios de sêmen em seu interior. Renovados depois do banho morno, os dois se vestiram com roupas simples e o apartamento de Changmin ainda estava vazio quando eles saíram do quarto. Eles somente deixaram o local depois de saborearem metade de um mamão e Kyu teve que ajudar Changmin a tirar seu carro da vaga sem arranha-lo novamente, uma vez que este havia sido mal estacionado.

Kyuhyun saiu atrasado do apartamento de seu namorado, e com aquela noite de clima ameno o bar certamente estaria cheio. Changmin entrou no estabelecimento juntamente com o rapaz, pouco antes deste abrir para o público e os dois donos do local conversavam preocupados com os novos seguranças contratados. O casal recém-chegado se aproximou de Sungmin que terminava de enxugar alguns copos com ar sério. Kyuhyun pulou a bancada e se juntou ao rapaz, enquanto Changmin acomodou-se do lado de fora, esperando seu namorado se ajeitar para que ele pudesse finalmente se despedir. Kyu falou alguns instantes com Sungmin e quando se aproximou de seu namorado, estava tão sério quanto os donos do bar.

– Changminie, você já vai pra casa?

– Vou sim, meu príncipe, por que?

– Vá com cuidado, o Sungmin disse que a violência aqui em volta andou aumentando, então não fique muito por aqui, está bem?

– Como você vai embora, Kyu? Quer que eu venha te buscar?

– Não, o Hyuk-hyung vai me deixar em casa. – Afirmou Kyuhyun. – Tome cuidado.

– Se cuide você também meu príncipe, e trabalhe bastante.

Eles selaram os lábios, e logo que o bar abriu Changmin saiu do local. Ele se despediu dos dois proprietários que lamentaram o fato do rapaz não fazer-lhes companhia aquela noite. Ele dirigiu para longe dali e sua mente não conseguia se preocupar com nada, ele apenas pensava na maravilhosa tarde que tivera ao lado de Kyuhyun. Era como se ele ainda sentisse seu cheiro e seu sabor impregnado em seu corpo, e ele amava aquilo.

Claro que seus compromissos o impediam de ter mais momentos como aquele, mas ele estava mais do que satisfeito e ainda possuía os registros daqueles ótimos momentos. Changmin agora acreditava que perdera valiosos anos de sua juventude buscando entre companhias femininas a parceira perfeita que o levaria aos seus melhores orgasmos, sem saber que sua outra metade estava lá, todos os dias, poucos metros à sua frente.

Kyuhyun era para ele o parceiro ideal, ele sabia quando demonstrar carinho, quando tornar as coisas mais intensas, quando acalma-lo e Changmin amava cada pedaço daquele homem com todas as forças de sua alma. Quando chegou ao seu apartamento, Changmin encontrou Jaejoong e Junsu aos beijos no sofá. Estranhamente aqueles dois não terminaram seu namoro logo após Micky e Yunho, e Changmin não tinha certeza de seus motivos.

Ele fez o possível para não chamar a atenção e logo se enfiou em seu quarto ainda bagunçado e com cheiro de sexo por todo o ambiente. Changmin trocou os lençóis e finalmente se jogou sobre a cama, revivendo aquela tarde em seu imaginário enquanto aos poucos sua mente se desligava e seu corpo cedia ao cansaço. Ele adormeceu com tais imagens em sua imaginação, mais satisfeito do que nunca por ter pedido aquele rapaz em namoro.

No final da madrugada, eles fecharam o Candy Bar e logo seus clientes tomaram o rumo de suas casas. Kyuhyun tivera uma ótima noite, estava bem-humorado e bem disposto, e somente sentiu os efeitos da tarde de sexo no final da noite quando o cansaço o arremeteu sem dó. Já seguro em seu apartamento, ele se deitou no sofá, abraçado a uma macia almofada e adormeceu sem sequer retirar suas roupas. Aquela tarde com Changmin esgotara suas energias, mas ele não se arrependia de um segundo sequer, e não via a hora de assistir ao vídeo, e repetir a dose.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s