Capítulo 31 – Memórias espalhadas

Dezembro trouxe a Seul algumas nevascas que enfeitaram a cidade de branco, em contraste com os enfeites de natal que coloriam as casas. As férias escolares chegaram e a semana toda, crianças brincavam de guerra de neve nas ruas, ou faziam atividades no interior aquecido de suas respectivas casas. Como sempre acontecia quando o inverno se alojava, o movimento do Candy Bar diminuiu drasticamente, por todo o mês, e eles bem sabiam que aumentaria novamente logo que fevereiro chegasse.

O programa de trainee de Changmin começou em dezembro, e a primeira coisa que eles tiveram fora um curso teórico sobre a empresa, com duração de duas semanas. Ao final das duas semanas, eles fariam seu primeiro teste teórico, o que garantia sua estadia para a segunda etapa, mas não sua contratação. Changmin não teve dificuldades com esta etapa, que aparentemente teve seu nível de dificuldade aumentado aquele ano. Dos trinta candidatos que começaram, apenas dez atingiram a nota de corte. Na terceira semana eles foram liberados em função das férias coletivas de fim de ano e retornariam no início de janeiro. Changmin sempre fora bom em se socializar, assim, logo nas primeiras semanas, alguns funcionários já estavam afeiçoados com seu jeito extrovertido e simpático.

No tribunal de contas, também foi decidido que Kyuhyun começaria em seu cargo em janeiro, para que no final, suas futuras contas ficassem mais arredondadas. Assim, no último mês do ano, suas funções no Candy Bar ao lado dos proprietários eram testar pessoas com potencial para serem bartenders do local. Os dois rapazes acataram a ideia de contratar uma mulher para a equipe e diversas moças se candidataram.

Nas primeiras semanas de dezembro, eles testaram as meninas que mais chamaram-lhes a atenção e destas selecionaram cinco que aparentemente foram melhor aceitas pelo público. Durante as festas de final de ano, quando o bar fechava para que Hyukjae e Donghae fossem a Mokpo passar um tempo com suas famílias, seria o tempo deles escolherem a pessoa que mais se adequasse ao trabalho.

Kyuhyun tinha sua favorita, e certamente era a favorita também de Changmin, afinal ele a considerara muito bonita. Donghae e Hyuk queriam que Kyu participasse da decisão final que seria tomada em Mokpo, no entanto, pela primeira vez em anos, ele não passaria o natal com as famílias que o acolheram tão carinhosamente. Claro, Donghae fora de longe o mais decepcionado com sua decisão, no entanto, ele a entendia perfeitamente. Kyu queria passar o natal e o ano novo com Changmin e seria egoísta de sua parte, se Donghae tentasse impedir.

O casal passaria o natal juntamente com Yunho e Jaejoong, e eles fariam sua ceia no apartamento de Changmin que tinha uma cozinha maior e era um tanto mais espaçoso. Já o ano novo, eles passariam separados, apenas curtindo a companhia de seus respectivos companheiros.  Era o primeiro natal que eles passariam juntos e os dois casais queriam que fosse especial.

Na noite do dia 23, Changmin e Kyuhyun foram à casa de Donghae e Hyukjae, pois logo cedo na manhã seguinte eles tomariam a estrada para Mokpo e voltariam somente depois das festas. Kyuhyun ajudou os dois rapazes a fazer as malas, e depois Changmin acompanhou Hyuk que deixou seu carro na revisão. Choco iria com o casal, em uma casinha própria, presa a um cinto de segurança no banco de trás.

A noite começou a tardar, mas Kyu não desejava ir embora, ele não desejava ver seus queridos amigos partirem e deixa-lo para trás pela primeira vez. Claro que ele teria Changmin, e desejava passar o natal com o rapaz, mas seu coração ainda estranhava não se entregar aos abraços da senhora Lee, experimentar a deliciosa comida da mãe de Donghae e ouvir as longas histórias do pai de Hyukjae.

Antes de ir embora, Donghae tratou de ensinar a Changmin outra de suas receitas de família. Daquela vez, ele faria peru recheado para a noite de natal, assim, os dois se enfiaram na cozinha e trataram de discutir o prato que Changmin prepararia para aquela noite em especial. Enquanto seu namorado aprendia outro delicioso prato, Kyu recostou-se à janela da sala e fitou a rua calma, tentando adivinhar como se sentiria no natal quando Hyuk e Donghae estivessem longe.

Ele deixara claro o quanto também desejava estar com aquela família e no porta-malas de Hyuk, Kyu deixara presentes para todos eles, para que na noite de natal eles não esquecessem que, em Seul, o rapaz também pensava neles com carinho. Quando se sentiu sozinho, Kyu seguiu para o quarto do casal, onde Hyuk terminava de empacotar suas coisas. O mais novo bateu na porta aberta e Hyuk chamou-lhe para que entrasse.

Hyukjae entregou a ele o presente de natal que comprara para o rapaz e para Changmin, com a instrução de que ele somente poderia abrir na noite de natal. Pelo conteúdo do pacote, eles haviam ganhado peças de roupas que certamente eles teriam prazer em usar. Hyuk então fitou um Kyuhyun nostálgico, e um tanto melancólico por deixar seus dois amigos partirem sem ele, talvez aquele fosse o momento de dizer-lhe o que Changmin demandara há quase um mês atrás.

Hyuk fechou a porta do quarto, surpreendendo Kyuhyun. Da gaveta de seu criado mudo ele retirou uma pasta com diversas folhas de papel e sentou-se ao lado do mais novo, sorrindo discreto para ele enquanto buscava as palavras certas para contar-lhe. Kyu segurou ambas as mãos do rapaz, e finalmente sorriu-lhe, na finalidade de tranquilizar os pensamentos de seu hyung que pareceu um tanto agoniado nos últimos instantes.

– Tudo bem, hyung, eu vou ficar bem com o Changminie, ele vai cuidar de mim.

– Eu sei que vai, Kyunie. Mas agora, eu acho que nós deveríamos falar de outro assunto, um pouco menos agradável.

– O que é, Hyukie-hyung?

– Você lembra, quando nos primeiros seis meses depois do Siwon ir embora, lembra-se das vezes que você perguntou se eu sabia algo sobre ele? Se ele havia entrado em contato?

– Lembro, hyung.

– Eu menti, aliás, eu e o Donghae mentimos. – Kyu arregalou os olhos e seus lábios se entreabriram puxando o ar com tanta força que seus pulmões doeram. – Ele mandou um e-mail assim que chegou à Inglaterra e nós nos comunicamos desde então.

– Hyung, por que vocês não me contaram isso? Por que mentiram pra mim? Eu confiei em vocês, sempre confiei, por que eu só estou sabendo disso agora?

– Entenda, Kyu. Da última coisa que você precisava era de esperanças que o Siwon algum dia voltasse. Quando você começou a se recuperar nós perdemos a coragem e depois, não vimos mais necessidade. Você estava indo bem, sem saber do Siwon. Eu não queria te machucar ainda mais falando dele, Kyu, e o Hae temia que a qualquer momento você voltasse a sofrer.

– Por que agora, hyung?

– Seu namorado soube de alguma forma que nós ainda conversamos com o Siwon e me pediu para te contar.

– Quem mais sabe sobre isso? É segredo só para mim?

– Só quem sabia, era o Junsu, então eu acho que ele deixou escapar para o seu namorado. Nós não conseguiríamos manter um segredo de você por tanto tempo se espalhássemos por aí e não queríamos que chegasse ao seu ouvido por terceiros.

– Hyung, você conversa com o Wonie? Até hoje? Como ele está?

– Até hoje, Kyunie. – Explicou Hyuk. – Nós só conversamos por e-mail, ele nos responde uma vez por mês religiosamente. A vida dele é bastante corrida lá na Inglaterra, e o que nós sabemos dele está nos e-mails, e é por isso que eu os imprimi pra você.

Kyuhyun então desviou o olhar para a pasta no colo de Hyukjae. Ali estavam impressos todos os contatos que Hyukjae e Donghae tiveram com seu ex-companheiro nos últimos anos. Kyu não pôde deixar de se sentir injustiçado por demorar tanto para descobrir tal informação, mas não conseguia ficar bravo com seus hyungs, afinal eles mentiram por tanto tempo apenas para protegê-lo. As intenções de Changmin também aparentavam ser as melhores possíveis, afinal ele também não era adepto à mentiras.

Kyu pegou a pasta e a abriu, e o primeiro e-mail estava datado de 2006, exatamente o ano que Siwon fora embora. Kyu passou os olhos pela escrita e não havia como negar que era Siwon, sempre seu estilo formal e um tanto frio. Ele se preparava para ler aquilo com calma, quando Hyuk fechou a pasta calmamente para em seguida voltar a falar com o rapaz. Ele tinha uma única condição em relação àqueles e-mails:

– Este é o seu segundo presente de natal, mas eu quero que você leia junto com o Changmin.

– Por que, hyung?

– Porque ele é curioso e o nome dele aparece nos últimos e-mails.

– Espera, o Siwon sabe…

– Sim, Kyu, ele sabe que você namora o Changmin. O que eu não quero que aconteça, é que o Changmin descubra isso de maneira errada ou incompleta. Leia com ele esses e-mails, é melhor.

– E se ele não quiser ler comigo?

– Ele vai querer ler, eu conheço a curiosidade desse rapaz. Se ele não quiser, deixe a pasta em um lugar acessível para ele e quando ele quiser ler, estará lá. O que eu não quero que aconteça é que isto se torne um assunto recorrente entre vocês e acima de tudo, não quero que as opiniões do Siwon envenenem o seu relacionamento.

– O que você quer dizer com isso, hyung?

– Você vai saber quando ler. – Disse Hyuk, selando a testa do mais novo demoradamente. – Me perdoe, meu garoto, por esconder isso de você.

– Tudo bem, hyung, já passou. – Disse Kyuhyun o abraçando pelos ombros. – Existe algo mais que eu deva saber?

– Não, Kyu, mais nada. – Disse Hyuk se afastando e acariciando os cabelos do rapaz. – Eu espero que você tenha um natal lindo com o Changminie e um bom ano novo. Nós nos veremos de novo quando janeiro chegar e não pense que não sentiremos a sua falta.

– Eu também vou morrer de saudades, hyung. – Disse Kyuhyun com um largo sorriso nos lábios. – Não se esqueça de dar um abraço em todo mundo por mim.

– Eu não vou esquecer.

Os dois se abraçaram uma última vez e depois foram encontrar seus respectivos companheiros que ainda comentavam sobre a ceia de natal que Changmin faria. Assim que Donghae viu o rapaz com a pasta em suas mãos, suspirou pesadamente e seu sorriso diminuiu de intensidade. Kyu chamou seu namorado para que eles partissem, uma vez que já estava tarde e os dois precisavam descansar.

Changmin, ainda alheio à conversa que Kyu tivera com Hyuk no quarto prontamente aceitou, levando consigo a folha onde Donghae anotara a receita com todos os seus segredos de bom cozinheiro. Changmin tomou a dianteira para pegar do apoio seu casaco e o de seu namorado e Hyuk fora logo atrás deste, dizendo-lhe que se os dois precisassem poderiam ligar-lhe e eles voltariam de Mokpo imediatamente.

Donghae ficou para trás com Kyu e o abraçou pela cintura, caminhando em direção a saída, onde o carro de Changmin estava estacionado. A calçada estava escorregadia por conta da neve e eles tinham que caminhar com cuidado para que não se machucassem. Enquanto caminhavam, Donghae deu início a uma conversa delicada, mas ele bem sabia que seria rápida.

– Conversou com o Hyuk?

– Conversei, hyung. – Afirmou Kyuhyun. – Está tudo bem.

– Me perdoe, por esconder isso de você por tanto tempo. Eu só não queria que o seu coração já fragilizado sofresse ainda mais. Eu queria que você fosse feliz, Kyunie, só isso.

– Eu sei, hyung. Não se preocupe, eu não julgo você ou o Hyukie-hyung. Eu agradeço por terem me contado.

Kyuhyun abraçou Donghae com força, ao que o rapaz o retribuiu com um carinho discreto em seus cabelos. Quando ele se afastou, recebeu do mais velho um beijo demorado em sua testa antes de desfazer o abraço e deixar que ele se unisse a Changmin para que eles pudessem finalmente voltar para casa. Os dois entraram no carro e acenaram para o casal que sorria para eles do portão de casa.

Assim, Kyu os deixou, para passar o primeiro natal com seu namorado que falava animado sobre o peru recheado que ele faria na noite seguinte e sobre como conseguiria alguns condimentos que ainda faltavam. Não demorou muito e Changmin percebeu que seu namorado estava mais silencioso do que o comum e ele ainda não o dissera do que se tratava aquela pasta que ele trouxera da casa de Donghae e Hyukjae, mas que Changmin presumia se tratar de alguma documentação relacionada ao Candy Bar.

Naquela noite, eles dormiriam na casa de Changmin e Jaejoong passaria a noite com Yunho no apartamento ao lado, dando mais privacidade ao casal. Eles dirigiram lentamente para o apartamento, em função das vias escorregadias por conta da neve que voltara a se precipitar pela cidade de Seul. Assim que os dois se encerraram no apartamento, e Kyu ligou o aquecimento do local para que os dois não precisassem passar a noite com muitas cobertas, Changmin apontou sua estranheza diante do silêncio de seu namorado que o tranquilizou com um sorriso e dizendo-lhe:

– Não é nada demais, mas tem algo que nós precisamos conversar.

– Sobre o que, meu príncipe? – Indagou Changmin retirando seu tênis e o substituindo por um calçado de pano em pelúcia que aqueceria seus pés.

– Sobre o Siwon. – Afirmou Kyuhyun retirando seu cachecol e se sentando ao lado de seu namorado no sofá da sala, para finalmente deixar a pequena pasta sobre a mesa. – O Hyuk-hyung me disse que eles ainda mantêm contato, com e-mails mensais. Ele me disse que você sabia e eu queria te agradecer por manter o segredo dos meus amigos.

– O Junsu-hyung me disse. – Afirmou Changmin, mais tranquilo que seu namorado não ficara chateado com sua atitude. – O que ele te contou, exatamente?

– Somente que eles ainda mantinham contato e depois ele me deu esta pasta, com os e-mails que o Siwon mandou para eles. Todos.

– Os e-mails? – Disse Changmin, surpreso com o conteúdo da pasta. – Você vai ler?

– Ele me pediu para eu ler com você. – Disse Kyuhyun. – Você quer saber como está o Siwon? Quem ele é hoje?

– Eu não sei, não sei se isso é da minha conta. – Afirmou Changmin, fitando a pasta fixamente. – Se você quiser ler e me contar depois, acho que…

– Não, é melhor que você leia comigo, ou sozinho. Eu quero ler esses e-mails, eu quero saber do Siwon, mas não quero que isso me afete, ou afete o que eu tenho com você.

– Então vamos ler juntos. Você lê, me dá a folha e depois que tivermos lido tudo, nós podemos conversar. – Disse Changmin calmamente, passando a pasta para as mãos de seu namorado. – Você primeiro.

Kyuhyun suspirou pesadamente, mas apesar de temeroso, os dois estavam demasiadamente curiosos sobre o conteúdo dos misteriosos e-mails. Kyuhyun abriu a pasta e retirou a primeira folha, suspirando pesadamente. Ele fitou Changmin que se ajeitara no sofá confortavelmente, esperando que a primeira folha fosse passada para si. O primeiro e-mail fez o estômago de Kyuhyun afundar alguns palmos e o deixou em dúvida se ele deveria continuar com os seguintes.

Queridos Donghae e Hyukjae.

Eu fiz uma boa viagem, e cheguei sem maiores problemas ao meu novo apartamento em Londres. A cidade é linda, apesar de um tanto gelada e de céu cinza. As pessoas usam algumas modas estranhas aqui,e os famosos pubs parecem ser agradáveis. Eu estou tentando me habituar, mas algo não me sai da cabeça. Como está meu querido Kyuhyun? Eu ainda me lembro dos soluços dele e confesso que logo que o avião pousou eu tive ímpetos de voltar para junto dele. Ainda ouço os seus soluços e suas súplicas e queria pedir a vocês dois que acalmassem minha alma e me dissessem como ele está, se está se alimentando, e como está vivendo. Eu sinto falta dele, me sinto extremamente sozinho aqui em Londres e o queria de novo ao meu lado. Espero que estejam todos bem, mal faz uma semana que eu cheguei e já sinto muitas saudades de todos vocês, principalmente do meu Kyunie.

Com amor, Siwon.

Kyuhyun sentiu um aperto em seu coração ao descobrir que Siwon também sofrera com sua partida, que sentira sua falta e se preocupara. Ele pensara mal daquele homem por anos e o remorso tomou conta de seu peito após ler aquele e-mail. Siwon o amava sim, ele não deixou de ama-lo quando partiu para Londres e assim como ele se obrigou a se acostumar com sua nova condição e aprender a viver sozinho, depois de anos ao lado de um companheiro.

Os e-mails seguintes eram quase uma cópia do primeiro. Ele descrevia lugares de Londres, a evolução de suas teses científicas em seu mestrado, as aulas que começara a ministrar, e em todos, ele perguntava de Kyuhyun, como ele estava, o que estava fazendo, como estava guiando sua vida. Siwon ficou chateado ao saber que Kyuhyun decidira não se manter naquele apartamento, uma vez que eles construíram uma vida lá e com o tempo, ele decidira abandonar.

Siwon evoluiu em sua vida profissional com certa rapidez. Ele terminou seu mestrado e se tornou logo orientador de algumas teses científicas, além de começar a dar aulas para universitários. Ele contou como se mudara para um apartamento maior e mais bem equipado e logo suas posses também ganharam volume em Londres. O que ele nunca comentava, era sobre seus relacionamentos e Kyu e Changmin poderiam jurar que ele não tivera nenhum. Seu discurso mudou quando Donghae e Hyukjae o revelaram que Kyu tinha um caso com Sungmin, sobre o que o rapaz escrevera um longo parágrafo:

Deixe-me ver se eu entendi. Kyuhyun encontrou um amigo, com quem ele faz sexo, mas com quem não possui nenhuma conexão amorosa. Nós estamos falando da mesma pessoa? O meu Kyuhyun romântico e carente? Eu não entendo o que levaria ele a se colocar em um relacionamento superficial, logo ele que tanto gostava da profundidade do nosso relacionamento. Seus motivos ainda me são estranhos, pois sempre imaginei que depois de mim viria alguém que fosse capaz de cuidar de todas as necessidades dele. Confesso que estou pouco satisfeito com a superficialidade deste relacionamento e acho a atitude dele um tanto infantil, que mais me lembra daquele pré-adolescente que me perguntava quando nós iríamos transar pela primeira vez. Sinto falta do meu garoto e espero que este relacionamento com o Sungmin dure apenas o suficiente até ele se apaixonar de novo.

Assim que Changmin e Kyuhyun terminaram com aquele e-mail eles se entreolharam estupefatos. Siwon não somente discordara do relacionamento de Kyu com Sungmin, como o criticara abertamente. Aquilo fez Changmin ficar ansioso com o que Siwon falaria sobre si, sobre seu relacionamento, não que tal opinião fosse importante, mas sua curiosidade não o deixaria em paz até que ele descobrisse. Assim, eles continuaram suas leituras e Siwon não mais falou de Sungmin apesar de ainda perguntar sobre Kyuhyun, aparentemente o rapaz decidira ignorar tal relacionamento.

O e-mail sobre o qual Siwon falava sobre Changmin espantou Kyuhyun, uma vez que ele também fizera uma crítica sobre seu novo relacionamento. Kyu surpreendeu-se com a postura de Siwon mesmo depois de anos separados, ele ainda se preocupava consigo, se lembrava de seu passado com carinho e não com amargura. Ele se arrependia por tê-lo feito sofrer, ao mesmo tempo em que sentia falta de sua vida mais tranquila e menos solitária em Seul.

Confesso que esta novidade sobre Kyuhyun me surpreendeu profundamente, tanto que tirou minha concentração durante meus estudos. Não foi o fato de Kyuhyun namorar o que me deixou surpreso, eu sabia que aquele romântico incurável mais dia menos dia iria se apaixonar. Me intriga o perfil que vocês descreveram deste rapaz que ele escolheu, e sinceramente, ele combina com o Kyuhyun? Quer dizer, o Kyu eu bem sei, é um rapaz centrado, estudioso e sensível, como ele foi se interessar por alguém assim tão diferente dele? O que o atraiu? Certamente não foi a inteligência do garoto porque pelo que vocês me descreveram, ele não tem absolutamente nada de surpreendente. Ele é bonito? Alto? Rico? Me digam, ele está a altura do Kyuhyun? A descrição de vocês foi superficial, e me deixou pensando que o padrão do Kyunie baixou muito desde que eu fui embora. Ele deve estar carente, não? E este rapaz, não o está usando de forma alguma, certo? Aish, é a primeira vez em anos que eu gostaria de estar verdadeiramente em Seul e ver de perto o que o Kyunie está vivendo, e como ele está lidando com isto. Meu garoto deve ter crescido muito, e eu espero que este rapaz não machuque o coração dele. O Kyu demorou a se apaixonar, o que eu quero saber, é se ele escolheu a pessoa certa. Fiquem de olho nestes dois, eu quero mais novidades.

Sinto saudades, com amor.

Siwon.

 Kyuhyun e Changmin se entreolharam indignados com os comentários e as dúvidas de Siwon. Era quase como se ele buscasse argumentos contra o relacionamento dos dois rapazes. Uma vez que aquele relacionamento não era superficial, ele queria ter certeza de que Kyu não havia escolhido alguém errado, que o fizesse sofrer, que não estivesse apto a crescer profissionalmente e sentimentalmente com ele. O e-mail seguinte não foi muito melhor do que o primeiro:

A descrição que vocês fizeram deste Changmin pouco me tranquilizou em relação ao que Kyuhyun está vivendo. Eu posso ter entendido errado, mas este rapaz me pareceu tão fútil a princípio que eu não compreendo como ele pôde se interessar por uma pessoa tão complexa quanto o Kyu. Você tem certeza de que não existe nada por trás deste interesse? Eles são colegas de classe, ele pode querer ganhar nota sobre o esforço do Kyunie. Eu sou professor e não seria nada surpreendente se ele estivesse se aproveitando do Kyu. Eu não sei como vocês que estão aí ao lado deles podem ficar tão tranquilos e eu a quilômetros de distância estou tão desconfiado. Eu sei que estou tirando conclusões precipitadas, mas este rapaz não parece o certo para ficar ao lado dele e se o Kyu sofrer com isto, eu vou me sentir ainda mais culpado por tê-lo deixado para trás. As vezes eu penso se eu ainda serei plenamente feliz como eu era com o Kyunie e se ele será feliz como um dia foi comigo. Eu sempre disse que queria que o Kyu seguisse em frente e agora que ele está seguindo, eu me sinto deixado para trás, ele conseguiu virar a página, resta saber o dia que eu vou conseguir fazer o mesmo. De resto, espero que este rapaz dê certo ao lado do Kyunie ou caso contrário, que desapareça de uma vez. O Kyu merece ser feliz, ao lado de quem o valoriza e dá a ele todo amor que ele precisa.

Aparentemente Siwon entrou em uma argumentação demorada com Donghae e Hyukjae sobre o relacionamento de Kyuhyun e apesar dos dois darem-lhe a certeza de que tudo estava bem, ele ainda não o aceitava, achava as atitudes de Kyuhyun impensadas e infantis, enquanto Changmin nada mais era do que um aproveitador fútil e superficial. Era a primeira vez que algo relacionado a Siwon irritava Changmin, e ele agora não mais o via como o ex-namorado de Kyu, mas sim um homem prepotente que o subestimava como namorado.

O último e-mail era datado de uma semana antes de Hyukjae e Donghae entregarem-lhe aquela pasta. Aparentemente o casal havia contado a ele que eles dariam a Kyu seus e-mails para que ele lesse, uma vez que já namorando há um ano, não havia mais motivos para que escondessem. Siwon concordou com tal situação e ao final do último e-mail ele tinha alguns parágrafos destinados a Kyuhyun:

Kyunie:

Depois de tanto tempo sem falar-lhe esta é a primeira vez que me dirijo diretamente a você. Donghae e Hyuk me contaram que você está bem, está cursando uma faculdade que gosta e conseguiu um emprego em um órgão público, que belo início de carreira, meus parabéns. Eu deveria ter um milhão de coisas para te escrever, pedidos de desculpas a fazer, mas minha mente parece estar trabalhando mais lentamente agora que estou falando com você. Eu sei que você sofreu com a minha partida, sei que isto te afetou de forma que eu não posso apagar, e sei que mesmo depois de anos, meus motivos ainda parecem fracos diante do relacionamento que nós tínhamos. Eu sei que você ainda não me perdoou, me pergunto se ainda sente raiva de mim, ou se apenas é uma mágoa muito bem marcada no seu coração. Eu sei que eu te machuquei, meu garoto, e eu sinto muito por isso.

Eu soube que você está namorando outro rapaz, e você leu os meus e-mails. Entenda, Kyu, eu sei que ele te fez bem, sei que ele consertou o que eu deixei quebrado e de forma alguma eu ignoro o mérito dele por ter te conquistado. No entanto, a primeira imagem que eu tive deste rapaz era de um conquistador barato e de pouca categoria que conseguiu te ludibriar com palavras bonitas. O amor é um sentimento que nos prega peças, Kyuhyun e eu temi que o seu já frágil coração sofresse mais com uma pessoa que eu duvido que mereça o seu amor. Eu não conheço este rapaz, e sei que estou julgando precipitadamente, mas acho que nós dois concordamos que já chega de desilusões amorosas para você.

No final das contas, contra todas as minhas previsões vocês dois completaram um ano de namoro. Sei que o seu eu teimoso diria que esta é a hora de eu admitir que estive errado, e talvez um dia eu o faça, quando olhar nos olhos de Changmin e conseguir afirmar que ele é um bom rapaz. Entenda, Kyu, isso não é uma crítica, são apenas divagações de um homem que ainda quer o seu bem, apesar da distância.

Eu sei que ainda deve existir uma muralha de mágoa entre nós, que o Changmin não seria capaz de apagar por completo, por melhores que fossem suas intenções (supondo que elas sejam boas). Mas é com carinho que eu me dirijo a você para afirmar o quanto eu sinto saudades suas. O quanto eu desejo um dia me reencontrar com você e ver com meus próprios olhos o quanto você cresceu, por mais que eu saiba que o sentimento não é mutuo.

 De resto, eu quero que se cuide, que continue sendo este rapaz incrível por quem eu fui apaixonado tão perdidamente. Que nunca perca a sua essência romântica e batalhadora. Quero que viva plenamente e que nunca se afaste daqueles que realmente se importam com você. Cuide dos seus amigos que estão aí com você, pois eles são tesouros preciosos. Não desperdice sua inteligência com trabalhos burocráticos, sempre deseje crescer profissionalmente. Quero que ame e seja amado. Fique bem meu garoto.

Com amor, de um Siwon cheio de saudades.

Kyuhyun entregou a última folha a Changmin e se levantou do sofá onde preguiçosamente ele havia se acomodado. Sua cabeça doía, pesada como se alguém tivesse colocado-lhe um fardo em seus ombros, pesado demais para que ele conseguisse carregar sem sofrimento. Kyu seguiu até a janela da sala e se recostou ali, tentando aos poucos absorver todas as informações que ele lera em todos aqueles e-mails. Sua mente girava com a imagem de Siwon misturada entre seu passado e seu presente.

Aquele não era o Siwon que ele montara em sua mente, um Siwon frio, sem sentimentos que não se lembrava de si, ou que não se importava. Não era nem de longe o homem que ele imaginava e o pior, ele ainda se importava consigo, a ponto de desconfiar de seu namorado. Certa parte de Kyuhyun acreditava que Siwon tinha ciúmes do relacionamento dele com Changmin, ou talvez fosse inveja, essas eram dúvidas que ele jamais sanaria, a menos que algum dia eles voltassem a se encontrar.

Ao terminar o último e-mail o estômago de Changmin estava revirado, Siwon o julgara mal sem ao menos conhecê-lo e esta era uma das últimas coisas que ele esperava daqueles e-mails. Não que ele tivesse formado alguma expectativa, além de sua costumeira curiosidade sobre quem era aquele homem que tanto marcara a vida de seu namorado. O que ele não imaginava eram aqueles julgamentos e sua crescente irritação em relação a tais conversas. Ele jogou a última folha sobre a mesa antes de concluir:

– Esta foi a pior ideia que eu tive, em meses.

Kyuhyun apenas desviou o olhar para seu namorado antes de suspirar pesadamente e fitar seu amado esfregando o rosto com as palmas das mãos. Aquilo apertou seu peito ainda mais e um nó se formou em sua garganta. Siwon sentia sua falta e aquilo obviamente machucaria Changmin, isso além de seus julgamentos superficiais e sem comprovação alguma.

– Changminie, está tudo bem.

– Está? Este babaca te abandona, me chama de aproveitador e está tudo bem, Kyu?

– Você não é aproveitador. – Afirmou Kyuhyun finalmente se voltando para o rapaz. – Você acha que eu não tinha o direito de ler estes e-mails só porque o Siwon não é bem como nós imaginávamos?

– Não é isso, só… eu não esperava isso. – Confessou Changmin, suspirando pesadamente.

-Ok, ele não aprova o nosso relacionamento, e daí? O Siwon foi embora há muito tempo.

– E eu espero que ele apodreça na Inglaterra. – Disse Changmin, amargurado. – Eu não quero que isso aconteça, que vocês se encontrem,ou que conversem.

– Não seja egoísta, Changminie.

– Eu sou egoísta? Ele que te trata como propriedade e eu sou egoísta?

– Eu não sou propriedade de ninguém, Changmin, e não é sobre isso que nós estamos falando. Ele está longe, e é só uma opinião. Nós já passamos por isso antes e ainda tem tanta gente que desaprova o nosso relacionamento e já te julgaram assim antes. Você já me mostrou que isso não é verdade.

– Eu sei, eu só não esperava que ele fosse assim, tão prepotente e protetor em relação a você.

– Foi como eu disse, nós não imaginávamos que ele seria assim. – Afirmou Kyuhyun, finalmente dizendo baixinho para que somente Changmin o ouvisse. – Ele sente a minha falta.

– É, ele sente.

Assim que terminou sua frase, Changmin saiu da sala e seguiu para seu quarto, deixando a porta bater com força atrás de si. Kyuhyun entendia a irritação de seu namorado, afinal não era agradável ler aquelas coisas sobre algo com que ele se importa. Pior do que ter sua masculinidade ferida, era ter seu ego dilacerado e fora aquilo que Siwon fizera mesmo sem ter a intenção. Fora com muito amor que eles construíram aquele relacionamento, mas alguém tão longe de si jamais poderia entender.

No final das contas o que incomodava Kyu não eram as críticas de Siwon, mas sim o fato daquele homem querer tanto o seu bem, desejar-lhe que ele fosse a pessoa mais feliz do mundo, mesmo que não fosse ao seu lado. Ao seu ver, de um modo meio torto, Siwon demonstrara ter um bom coração no final das contas. Por alguns instantes, Kyuhyun teve ímpetos de pedir o endereço eletrônico de Siwon a Hyukjae e responder suas palavras.

Ele o contaria tudo, sobre como sofrera com sua partida, sobre como trabalhar no Candy Bar e ter Hyukjae e Donghae ao seu lado o ajudaram a se reerguer. Ele defenderia Changmin, contaria a Siwon como julgara mal as intenções do rapaz a princípio e como se arrependera depois. Descreveria a ele todas as atitudes de Changmin que o fizeram acreditar em seu amor e argumentaria até convencê-lo de que seu namorado era um bom homem.

No entanto, aquilo tudo era vago demais, e algo que talvez o abalasse de forma negativa. Entrar em contato com Siwon poderia mudar sua visão sobre ele e não necessariamente aquilo seria algo bom. E acima de tudo, ele não o responderia, pois não desejava machucar seu sensível namorado. Siwon o tocou em seu ponto mais frágil, naquilo que Changmin tentava sem sucesso convencer a todos. Em função de seu passado, as pessoas não acreditavam nas intenções de Changmin e isto obviamente o frustrava.

Kyuhyun seguiu para o quarto de seu namorado que deixara suas roupas espalhadas pelo chão e se enfiara embaixo do chuveiro quente para espairecer. Ao entrar no banheiro, por trás do vapor, ele viu a silhueta de seu namorado que mantinha a cabeça embaixo do chuveiro e as mãos apoiadas na parede, deixando que a água morna acalmasse suas agonias. Kyu bateu a porta chamando a atenção do rapaz que desviou o olhar para ele.

Kyuhyun retirou suas próprias roupas, as deixando no chão do banheiro e silenciosamente adentrou o box junto de seu namorado. Changmin desviou o rosto para seu namorado que calmamente o abraçou por trás, deixando as mãos envolverem sua cintura e finalmente recostando o rosto em seu ombro. Aos poucos o chuveiro começava a molhar os cabelos e a pele de Kyuhyun, o relaxando assim como seu namorado.

Changmin repousou suas mãos sobre as de seu amado, sentindo a pele macia do outro recostar-se a própria. Ele amava aquele rapaz, mesmo depois de um ano, mesmo que não convencesse mais ninguém disso, ele realmente o amava. O mais importante, era que Kyu acreditava em si, e ele sabia que não deveria se importar tanto com a opinião de alguém que estava tão longe e precisaria ignorar aquilo antes que machucasse seu namorado.

Changmin voltou-se para Kyu e finalmente o envolveu pelos ombros, deixando o rapaz recostar seu rosto contra seu peito e suspirar pesadamente. Ele penteou os cabelos molhados de seu namorado com a ponta dos dedos e os retirou de seu rosto para que pudesse fita-lo mais apropriadamente. Kyu ergueu o olhar e finalmente cortou aquele silêncio pesado que se estabelecera entre os dois:

– Tudo bem, Changminie, já passou.

– Já mesmo?

– Claro que sim. É só a opinião de alguém que me abandonou há muito tempo, não significa absolutamente nada. Eu te amo, Changmin, acredite em mim.

– Mais do que amou o Siwon?

– De uma maneira diferente da que eu amei o Siwon. O meu amor por você é mais maduro, mais correto, mais bonito. E eu não faço comparações entre vocês dois, também não quero que você faça.

– Eu também te amo, meu príncipe. – Afirmou Changmin o apertando em seus braços. – Eu te amo muito.

– Vira de costas, me deixa lavar as suas costas para você relaxar. – Disse Kyuhyun se afastando e finalmente roubando um selar de seu namorado.

– Eu não quero que isso estrague o nosso natal. – Afirmou Changmin soltando o abraço e virando-se de costas para seu namorado.

Kyuhyun deixou o sabão escorregar pelas costas definidas e de pele morena de seu namorado. Claro que aqueles carinhos aos poucos acalmaram seu coração, assim como suas inseguranças. As mãos de Kyu retiraram a espuma das costas do rapaz, para então deixa-lo tomar banho apropriadamente, e finalmente ele fez o mesmo. Assim que saíram do chuveiro, eles guardaram os e-mails e foram dormir. Por aquela noite, estava encerrada aquela discussão.

Na manhã seguinte, Kyuhyun acordou tarde e sozinho na cama que dividia com seu namorado. Por um longo minuto a insegurança tomou conta de todas as células de seu corpo e ele fitou tudo a sua volta a procura do outro rapaz. Logo suas narinas captaram o cheiro de café no ar e sua mente concluiu que o rapaz estava na cozinha. Kyuhyun se enrolou em um cobertor e seguiu para onde seu coração desejava encontrar seu namorado.

Ele somente se acalmou quando fitou o rapaz de costas, com o corpo apoiado na bancada e os olhos atentos à receita que Donghae passara-lhe. Alguns ingredientes estavam espalhados pela mesa e a cafeteira apitava, indicando que o café estava finalmente pronto. Kyuhyun pigarreou chamando a atenção de seu namorado que abriu um largo sorriso assim que o viu parado à porta, passando as mãos nos cabelos para ajeita-los.

Changmin serviu duas xícaras de café e entregou uma à Kyu antes de roubar um selar de seus lábios. Kyuhyun tomou um longo gole do líquido amargo e finalmente adentrou a cozinha, segurando o cobertor com sua mão livre e sentindo aos poucos seus pés começarem a ficar gelados. Ele fitou a mesa demoradamente, tentando entender como Changmin conseguiria tirar daquela bagunça toda um prato delicioso.

– Não está cedo para começar a ceia?

– Eu quero deixar tudo meio encaminhado pra quando o Jae e o Yunho chegarem nós podermos ficar com eles. – Afirmou Changmin se espreguiçando demoradamente e deixando a xícara sobre o balcão. – Quer me ajudar, príncipe?

– Primeiro eu quero colocar um par de meias e uma blusa mais grossa, depois eu venho te ajudar. – Disse Kyuhyun sorrindo para o rapaz.

– Não demore, quero você picando pimentão aqui em cinco minutos!

Kyuhyun riu do comentário de seu namorado que apesar da noite tensa que eles tiveram, aparentava ter acordado de bom humor. Changmin decidiu na noite anterior, quando a insônia não o permitia pegar no sono como seu amado, que não se deixaria levar pelas opiniões ácidas de Siwon ou aquilo abalaria seu relacionamento. Seu namorado era compreensivo e eles certamente logo passariam por mais aquele obstáculo.

O natal do casal se passou assim, eles passaram boa parte da manhã e da tarde discutindo receitas, preparando ingredientes, bagunçando e arrumando a cozinha até que finalmente estava tudo devidamente encaminhado. Com o peru recheado no forno e o arroz com condimentos pronto, os dois trataram de se arrumar para receber o outro casal. Com roupas mais sofisticadas, os dois saíram do quarto e deixaram os presentes que abririam naquela noite próximos a arvore de natal que Changmin enfeitara.

Assim, Jaejoong e Yunho chegaram, de mãos dadas e como usualmente, estavam felizes e tranquilos. Jae deu a Changmin um arco com chifres de rena em pelúcia que o rapaz usou o resto da noite, fazendo seu namorado rir e apelidar-lhe de Rudolph, a rena do nariz vermelho. A ceia ficou pronta rapidamente e Changmin a serviu pouco antes da meia-noite. A comida do rapaz estava deliciosa, o arroz com condimentos acompanhava um Peru recheado e bem temperado, e por fim uma sobremesa de frutas com creme de leite.

Não fora nada sofisticado, mas os dois casais terminaram o jantar mais do que satisfeitos. Eles conversaram sobre tudo, suas carreiras, o fim de ano, o ano seguinte, seus planos e desejos. Tudo o que um clima natalino poderia ter, estava ali entre eles. Claro que Kyu ainda sentia falta da família com quem passara seus últimos natais, assim como de seus pais. Era no final do ano que ele mais pensava em sua família e em como eles poderiam estar.

A meia-noite, eles se sentaram em volta da árvore de natal para abrir os presentes que os dois casais haviam juntado ao longo do último mês, a fim de abri-los. Enquanto os rapazes se divertiam retirando os papéis de presente e revelando seus novos pertences, Jaejoong recebeu um telefonema de Junsu desejando-lhe Feliz Natal. Ao fundo, ele ouviu a voz de Yoochun que dizia que ele deveria largar aquele telefone e ir ajuda-lo a lavar a louça e assim eles se despediram.

Jaejoong contou-lhes sobre o telefonema e assim os quatro começaram a especular sobre o novo relacionamento de Micky. Yunho afirmou que pouco se importava com o rumo que seu ex companheiro tomara de sua vida, e que não era nenhuma surpresa que ele tivesse corrido de volta para os braços de Junsu. Eles de fato, estavam muito melhores separados, muito mais felizes e satisfeitos.

Logo que todos os presentes estavam abertos, os dois casais decidiram que iriam se recolher aos seus respectivos quartos.  Changmin deixou que seu namorado tomasse sua frente em direção aos seus aposentos e ficou para trás juntamente com Jaejoong, uma vez que precisava de uma opinião sua. Ao ver que os dois ficaram para trás, Yunho também se encerrou no quarto de seu namorado, dando privacidade aos dois amigos.

– Jae-ah, como você se sentia quando o Micky falava aquelas coisas de você? Que você só tinha um rosto bonito e queria o lugar dele?

– Péssimo. – Afirmou Jaejoong. – Principalmente porque ele estava me julgando sem trocar meia dúzia de palavras comigo. Por que?

– Eu li alguns e-mails do Siwon e ele disse coisas parecidas. Que não entendia a escolha do Kyu, que eu não aparentava ser o homem certo, e outras babaquices.

– Siwon o ex-namorado? Aquele que foi embora?

– Este mesmo. – Afirmou Changmin deixando transparecer por alguns instantes sua insegurança. – Sabe o que eu acho? Que ele ainda gosta do meu príncipe e está com ciúmes. O que eu faço se esse cara ainda gostar do Kyu?

– Changmin… e se ele gostar, e daí? Ele está longe, no fim do mundo e já teve sua chance de namorar o Kyuhyun, mas escolheu não namorar. Agora o namorado dele é você e não tem Siwon ciumento que faça esse fato mudar. Quer saber o que me consolava quando eu estava separado do meu hyung?

– O que?

– Era saber que ele me amava. Mesmo quando ele namorava o Yoochun-hyung, eu sabia que ele me amava. E o Kyunie te ama, você sabe disso, não sabe?

– Sei, claro que eu sei. – Afirmou Changmin, sorrindo discreto. – Ele vive dizendo que quer se casar comigo, quer um futuro ao meu lado. Ele me ama sim, Jae.

– O Siwon pode pensar o que ele quiser, ter o ciúme que ele quiser, nada muda o fato que o Kyu te ama. Cuide disto e o resto se resolve sozinho.

– Obrigado Jae-ah. – Disse Changmin o abraçando pelos ombros demoradamente. – Muito obrigado.

– Feliz natal, Changminie.

Eles soltaram o abraço dando tapinhas amigáveis em seus ombros e em seguida seguiram para seus respectivos quartos. Em seu quarto, Kyu já devidamente trajado com seu pijama e deitado em seu lado da cama de casal, afofava o travesseiro de Changmin para que este ficasse mais confortável. O mais alto fez como seu namorado e suas roupas foram substituídas por um conjunto mais confortável de algodão. Ele se sentou na cama e acariciou os cabelos de seu namorado que sorriu para ele.

Jaejoong tinha razão, nada, nenhuma opinião, nehuma tempestade, mudava o fato de que Kyuhyun o amava e ele amava Kyuhyun. Changmin acomodou-se ao lado de seu namorado que apoiou sua cabeça sobre seu peito e fechou os olhos. O sempre inseguro Kyuhyun tinha sim um porto seguro, um lugar onde o mundo a sua volta não parecia tão ameaçador e certamente este lugar era nos braços de seu namorado.

O primeiro natal de Kyuhyun e Changmin fora inesquecível, não somente pelos fatos desagradáveis que eles descobriram à sua véspera, mas porque os dois puderam experimentar um gosto mais aprofundado da vida a dois. Se desgarrar da vida familiar e das amizades, para por fim, formar sua própria família, mesmo que esta não fosse das mais convencionais. Finalmente o casal se entregou ao cansaço, depois de saborearem seu primeiro natal juntos e nenhum deles se importaria se para o resto da vida, seus natais permanecessem exatamente como aquela noite. Na companhia de pessoas agradáveis, com comida gostosa e culminando na paz de seus aposentos, para que dormissem abraçados.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s