Capítulo 43 – Friendship

 

 

Changmin acordou na manhã de sábado sentindo os lábios quentes de seu namorado sobre os próprios. Ele sentiu o aroma do sabonete de Kyuhyun, imaginando que o rapaz tivesse tomado um banho antes de acorda-lo, e abrir os olhos e ver seus cabelos molhados devidamente penteados e o rosto fresco de banho recém-tomado apenas confirmaram suas suspeitas. Kyu sorriu e voltou a beijar seus lábios quando Changmin cerrou os olhos.

No entanto, ao contrário do que Changmin imaginara, Kyu não estava de pijamas, ou com roupas confortáveis de ficar em casa. Ele estava devidamente arrumado, usando uma jeans justa e uma camisa que delineava bem a linha curvilínea de seu corpo. Kyu deitou-se sobre seu estomago e apoiou o rosto em seu antebraço enquanto seu namorado ainda sonolento aos poucos despertava.

Changmin coçou os olhos bocejando demoradamente e esticando o corpo a fim de se livrar de sua preguiça, sentindo sobre seu abdômen o sêmen do outro que secara ali sem que ele fizesse questão de limpar, uma vez que estava demasiadamente cansado na noite anterior. Kyu acariciou os cabelos negros do rapaz que finalmente volveu o corpo em direção a si e finalmente disse baixinho:

– Que horas são?

– Oito e meia, Changminie.

– Por que acordou tão cedo? É sábado.

– Eu vou à faculdade, meu amor, tenho que…

– Aish! – Reclamou Changmin, desviando o olhar e pendendo o rosto de lado, na direção contrária de onde seu namorado estava deitado.

– Não, Changminie, não fica assim! – Disse Kyuhyun se levantando de um salto e se sentando sobre o colo de seu namorado emburrado. – Olhe, eu tive uma ideia hoje de manhã, anda, olha pra mim e me escuta!

– Eu estou te ouvindo, Kyuhyun.

– Não, não está, você está emburrado. – Disse Kyu se deitando sobre o corpo de seu amado e deixando selares em seu rosto. – Eu vou pra faculdade agora pela manhã e a tarde nós dois vamos ao cinema, só nós dois, como fazíamos quando nos conhecemos.

– Cinema? – Indagou Changmin, finalmente desviando o olhar para o rapaz. – Só isso? Eu vou passar…

– Tá bom, então nós também almoçamos juntos em um restaurante bem gostoso, eu pago! – Disse Kyuhyun segurando as mãos de seu namorado. – Almoço, cinema, passeio, beijinhos, vai ser um bom sábado, não acha?

– Beijinhos? Quantos?

– Quantos você quiser. – Disse Kyuhyun pendendo o corpo para frente e roubando um selar de seus lábios. – Não se preocupe, Changminie, eu só vou levar um livro e volto correndo pra você.

– Eu tenho uma ideia melhor. – Disse Changmin se sentando e agarrando seu namorado pela cintura. – Por que você não fica aqui e eu te faço homem igual ontem a noite, aí depois eu ligo para o Siwon e mando ele pastar, já que você não vai poder levar o livro pra ele hoje, pois vai estar cansado demais depois do nosso sexo selvagem, o que acha?

– Changminie, eu adoraria ficar aqui com você, mas você sabe que eu tenho meus compromissos. – Afirmou Kyuhyun acariciando os cabelos de seu namorado, o fitando ficar emburrado novamente. – É só pela manhã, a tarde eu sou todo seu. Eu sei que você anda carente do seu príncipe, mas não tem como você aguentar só mais um pouquinho?

– Posso, só não quero. – Confessou Changmin, voltando a se deitar sobre a cama. – Quando você vai terminar esse artigo mesmo?

– Eu tenho que entregar no final de novembro. – Afirmou Kyu deitando-se sobre seu namorado. – Depois eu vou começar a trabalhar na faculdade e nós vamos ter os nossos sábados para nós dois, só espere mais um pouquinho.

– A tarde você vai me falar desse trabalho na faculdade? – Indagou Changmin.

– Eu também não sei exatamente como vai ser, mas o que eu souber eu te conto. – Afirmou Kyu, rolando para o lado de seu namorado enquanto ainda o fitava. – Anda, Changminie, eu tô tentando compensar, passo a manhã longe e a tarde com você, sem ter que fazer trabalho e essas coisas. A noite nós jantamos, tomamos um vinho e continuamos a nossa monografia.

– É que, a gente brigou e aí fizemos as pazes, e no momento seguinte lá está você correndo para perto do Siwon de novo. – Afirmou Changmin sem fitar o rapaz. – Acho que eu e você sentimos as coisas de formas diferentes, Kyu.

– Não é isso, Changminie e eu te disse ontem que eu não ia desistir dos meus projetos e isso implica em ficar perto do Siwon-hyung, mas eu sempre volto pra você e você sabe disso.

– É, eu sei. – Disse Changmin sentando-se na cama e se espreguiçando demoradamente. – Você deve estar atrasado, vá logo, eu te pego na faculdade.

– Não precisa, Changminie, eu volto pra cá antes de nós sairmos.

– Eu vou sair também, e como você disse que não vai demorar, eu te pego na faculdade. – Afirmou Changmin se levantando de um salto.

– Aonde você vai?

– Vou tomar café lá onde nós costumávamos comer croissant. – Afirmou Changmin pegando uma toalha e seguindo para o banheiro.

– Achei que nós poderíamos tomar café juntos. – Afirmou Kyuhyun finalmente se sentando na cama.

– Pena que você está ocupado.

Changmin adentrou o banheiro, deixando seu namorado sozinho no quarto. Kyuhyun suspirou pesadamente, e se levantou da cama lentamente. Ele não podia negar, seu namorado amanhecera mais comunicativo do que nos últimos meses, o que ele ainda não sabia era como lidaria com essa nova faceta de Changmin. Kyu se levantou dali e tratou de se despedir de seu namorado antes de sair, afinal, sabia que deixa-lo sozinho apenas pioraria a situação.

Quando adentrou o banheiro, Changmin estava embaixo do chuveiro tentando se livrar dos resquícios de sêmen em seu abdômen, enquanto a água morna escorria por seus cabelos e seu corpo. Ele desviou o olhar quando viu seu namorado abrir a cortina plástica que os separava, mas logo voltou a atenção para seu banho, sem fita-lo. Kyu pegou uma pequena quantidade de sabão líquido em sua mão e começou a espalha-lo pelas costas de Changmin que suspirou pesadamente.

– Você vai se molhar. – Afirmou Changmin.

– Eu troco de roupa depois. – Disse Kyu massageando os ombros de seu namorado. – Quer conversar, Changminie?

– Achei que estivesse atrasado.

– Eu posso ficar mais um pouquinho com você. – Afirmou Kyuhyun, fitando seu namorado virar o rosto brevemente.

– Não precisa.

– Claro que precisa, você está chateado. – Afirmou Kyu agarrando a cintura de seu namorado. – Changminie, não me peça pra escolher entre você e o meu artigo, não agora que está quase no final.

– É eu estou, mas você não vai conseguir resolver isso nos próximos quinze minutos. Então vá logo para a faculdade e me ligue quando eu puder ir te buscar. – Changmin volveu o corpo para seu namorado. – Você está todo molhado, agora tem que se trocar.

– Eu não me importo, quero saber se você vai ficar bem. – Disse Kyuhyun se aproximando de seu namorado.

– Vou. – Cedeu Changmin, baixando seu rosto e suspirando pesadamente. – Eu te amo, Kyunie e eu sou o seu namorado, só não se esqueça disso.

– Não vou esquecer. – Afirmou Kyuhyun roubando um beijo dos lábios de Changmin. – Eu te amo, não fique agoniado, eu não vou demorar.

– Está bem.

Kyuhyun percebeu que seu namorado tinha razão, aquilo não poderia ser resolvido nos próximos dez minutos, assim como não se resolvera com o sexo na noite anterior. Ele selou a testa de seu namorado e deixou o banheiro a fim de se trocar e seguir para a faculdade, onde Siwon já o esperava. Changmin demorou-se propositalmente no banho, pois não desejava continuar aquela discussão.

Quando o rapaz saiu do banheiro encontrou seu apartamento em um silêncio pesado que parecia sufocá-lo. Ele escolheu suas roupas sem pressa e deixou sua toalha sobre um apoio para que secasse. Changmin penteou-se e barbeou-se antes de deixar definitivamente o quarto, a fim de tomar seu desjejum em algum lugar que não fosse aquele silencioso apartamento. Quando passou pela sala, encontrou um pequeno papel com a letra delicada de seu namorado:

“Eu te amo, Changminie.”

Changmin guardou o pequeno bilhete e dirigiu pela tranquila cidade de clima ameno onde pelo horário ainda não havia agitação. Ele guiou por ruas que conhecia bem, em direção a delicatessen onde algumas vezes levara seu namorado para comer suas delícias. A rádio tocando músicas românticas maltratava seu coração, uma vez que ele sentia que ainda tinha Kyu para si, ao mesmo tempo em que o sentia correr para longe. Uma sensação tão confusa quanto dolorida, e a atitude de seu namorado aquela manhã o fez concluir que ainda não o perdoara.

Changmin estacionou o carro, cogitando uma visita surpresa a seu amigo Jaejoong enquanto esperava pela ligação de Kyuhyun. Ele guardou o pequeno bilhete na carteira, como um lembrete de um compromisso importante, cogitando dar um ao seu namorado, para que ele também não se esquecesse. Ele não se importou com a fila e adentrou o local, deixando seus olhos percorrerem as deliciosas tortas expostas, sentindo seu estômago se manifestar pela primeira vez naquela manhã.

Enquanto seus olhos percorriam atentos os doces e sua boca salivava como se beijasse seu namorado, ele sentiu uma mão pesada em seu ombro o acordando de seus devaneios. Ele ergueu o rosto sobressaltado e logo atrás de si, seu hyung sorria abertamente para ele. Changmin retribuiu prontamente o sorriso satisfeito por encontrar o rapaz naquela manhã:

– Micky-hyung!

– Changmin-ah! – Yoochun o enlaçou pelos ombros, deixando tapinhas amigáveis em suas costas. – O que faz aqui?

– Eu vim tomar café da manhã, não queria ficar em casa. – Confessou Changmin. – E você? Está longe de onde você está morando agora!

– Estou mesmo! – Riu-se Yoochun. – Acontece que ontem o Junsu chegou em casa estressado e cansado e por isso comeu meia dúzia de biscoitos e foi dormir. Acordou cinco da manhã e foi trabalhar de novo, então eu vim aqui comprar alguns croissants que eu sei que ele gosta, pra fazer um agradinho quando ele chegar em casa.

– Aposto que ele vai gostar! – Sorriu-lhe Changmin, cogitando a hipótese de levar algo para seu namorado enquanto a fila lentamente se dissipava.

– Espero que sim. – Sorriu-lhe Micky. – Eu soube o que rolou entre você e o Kyu, tá tudo certo com vocês?

– Mais ou menos, hyung. – Afirmou Changmin sorrindo sem jeito. – Antes de mais nada, como você soube?

– Ah, o Hyuk estava preocupado com vocês e ligou para o Su pra desabafar. Eu acabei ouvindo a conversa e depois ele me contou. O Hae e o Hyuk tem razão em ficar preocupados com vocês dois, porque até semana passada tudo parecia bem entre vocês, por que esconderam deles que não estavam tão bem assim?

– Não é isso, hyung, é uma história mais complicada. – Afirmou Changmin desviando o olhar para a atendente assim que chegou sua vez.

– Está com pressa? Porque se não estiver nós podemos comer um pedaço de torta juntos e você me conta, o que acha?

– Acho uma ótima ideia. – Afirmou um sorridente Changmin, afinal ele teria companhia para aquela manhã de sábado.

Os dois fizeram seus pedidos que seriam levados à mesa que escolheram, uma das poucas vazias, um tanto afastada da grande movimentação, pois ficava em um canto um tanto escondido do estabelecimento. Eles seguiram para o local sem pressa, acomodando-se nas confortáveis cadeiras, em seguida sendo servidos pelo atendente que deixou os pedaços de doce que escolheram juntamente com duas xícaras de café.

– O Junsu disse que costumava a vir aqui com o Jaejoong. – Contou-lhe Yoochun. – Agora eu entendo por que.

– Eu também gosto daqui, hyung. – Afirmou Changmin, tratando de comer outra garfada de sua torta de morango.

– Então, quer me contar o que fez você socar o Kyuhyun e ele te deixar com três pontos na cabeça?

– As coisas entre nós mudaram muito, hyung. – Começou Changmin pensativo. – Começou com o Siwon de volta. A primeira reação do Kyu foi exatamente o que eu esperava, ele ficou mal, triste, melancólico, mas depois…

– Eles se aproximaram né? – Afirmou Yoochun.

– Exatamente. Foi tudo tão rápido e tão sutil que eu mal percebi. E de repente o Kyu começou a passar menos tempo comigo, começou a falar bem dele, a sorrir pra ele, eles se aproximaram tão rápido que eu mal acredito que estamos falando do mesmo Kyuhyun.

– Changmin-ah, vamos pensar no assunto. Você sabe o que o Siwon significou para o Kyu, não sabe?

Changmin assentiu.

– Raiva é uma emoção passageira, você não pensou mesmo, que depois que toda a raiva passasse o Kyu não veria o Siwon com outros olhos? Estamos falando do cara que tirou o Kyu da casa dos pais, que fez dele um homem extremamente precoce, com quem ele morou por longos dois anos. Não é nada surpreendente essa aproximação, Changmin, principalmente vindo do Siwon que nunca deixou de se importar com o Kyu.

– Mas hyung, ele machucou o Kyu, quando eu conheci o meu namorado o primeiro aviso que eu tive é que era indelicado falar do Siwon porque ele não gostava! – Exclamou Changmin.

– De fato, ele não gostava! – Afirmou Yoochun. – No entanto, foi você mesmo que fez o Kyu fazer as pazes com o passado dele, e isso fez dele uma pessoa melhor e menos amargurada com a vida. No final das contas, foi por isso que vocês brigaram?

– Foi assim que começou, aí naquela noite eu preparei uma surpresa para o nosso aniversário de namoro e ele esqueceu. Nós discutimos e uma coisa levou a outra até nós nos machucarmos.

– Ah, teve isso também. – Disse Yoochun pensativo, tomando um gole do café. – Então é tudo por causa do seu ciúme do Siwon?

– Também. Quer dizer, tem o fato de que a faculdade toma grande parte do nosso tempo e o Kyu se enfiou nesse artigo com o Siwon o que não facilita em nada. O que acontece, hyung, é que ele não parece mais se interessar por passar um tempo comigo, parece que pra ele é muito mais interessante ficar com o Siwon, trabalhando.

– Falta de tempo é algo terrível, nisso eu vou ter que concordar com você. A diferença é que o carente da minha relação é o Junsu e no seu caso, é você.

– Hyung, não é carência!

– Claro que é. – Defendeu Yoochun. – Ele está passando pouco tempo com você, é natural que sinta isso.

– Você também deve ter se sentido sozinho não é hyung? Quando namorava o Yunho-hyung?

– Me senti sim, na verdade, mas não era trabalho o nosso problema. – Afirmou Yoochun pensativo. – Eu sentia mais ciúme na verdade, me consumia saber que eu estava perdendo o meu relacionamento.

– O que você fazia, hyung?

– Eu? Torturava o Yunho de todas as maneiras possíveis. Jogava na cara dele os erros que ele cometeu, minava as tentativas dele de melhorar o nosso relacionamento, ignorava ele quando ele estava solitário, todas as coisas ruins que ele falou para o Jaejoong, eu fazia. Esse seria o meu conselho pra você, se você quisesse terminar o seu relacionamento e fosse covarde demais pra fazer isso. Eu não me importava com o que ele estava sentindo, só com a minha dor.

– Não é o meu caso, hyung. – Disse Changmin, sorrindo sem jeito. – Eu ainda gosto do Kyu, me importo com ele.

– Eu sei que se importa. – Sorriu-lhe Yoochun. – Mas não é por isso que vai deixar ele te fazer de tonto, certo?

– Como assim, hyung?

– Quer saber por que você bateu no seu namorado? Porque ele parou de demonstrar que se importava com você e com o seu relacionamento, enquanto você agia como se tudo estivesse perfeito, ele tomou frente e jogou tudo pela janela. Você foi bobo de não ter esfregado na cara dele o quanto detesta ter que ficar olhando enquanto ele fica ao lado do Siwon e do quanto precisa da presença dele.

– Hyung, eu não…

– E finalmente, quando você decidiu falar o que te incomodava, as coisas saíram do controle, porque você levou tempo demais guardando isso sozinho. Quer saber o que aconteceu comigo quando eu parei de deixar claro o que me incomodava no Yunho? Eu terminei com ele.

– Acha que eu devo discutir mais com ele?

– Claro! Não precisa ser detestável como eu sou, mas imponha o que você quer.

– Eu não sei fazer isso, hyung, não com ele. E tem tantas coisas me irritando, eu estou tão cansado. Nós fizemos as pazes ontem, ele me prometeu que ia melhorar, e hoje acordou cedo e foi pra faculdade levar um livro para o Siwon. Nós tivemos uma briga horrível, o que custava ele ligar para o Siwon e levar essa droga de livro outra hora? O que custava passar um único sábado comigo? Não é pedir muito, é?

– Claro que não é, só que você tem que ser homem e cobrar isso dele! Não todos os dias, porque aí você vai só encher o saco, mas quando for o momento certo, você deve cobrar dele.

– Ele me prometeu que iria passar mais tempo comigo, hyung, disse que seria o namorado que eu preciso, como eu sempre fui para ele. – Desabafou Changmin.

– Deixe de ser capacho, Changmin. – Afirmou Yoochun, bebendo o último gole de seu café e pedindo ao atendente por uma segunda xícara. – Quando ele fizer algo que te desagradar, fale para ele, acredite, ele não vai morrer porque você está chateado.

Enquanto Changmin ouvia e absorvia o ponto de vista de Yoochun, Kyu adentrava a faculdade, carregando em seus braços um pesado livro de capa dura. Ele seguiu diretamente para a biblioteca, onde Siwon o avisara por SMS que se encontraria. Kyu guardou seus materiais e adentrou o local extremamente silencioso por conta da pouca quantidade de alunos ali presente.

Ele subiu as escadarias e alcançou as salas de estudo, onde depois de procurar, encontrou Siwon exatamente na mesma que ele e Changmin costumavam ter suas aulas de calculo. Kyu se aproximou da porta de vidro e bateu discretamente na mesma, chamando a atenção de Siwon que estava concentrado corrigindo exercícios com uma caneta de cor vermelha em mãos. Assim que viu de quem se tratava, Siwon chamou-o com um sinal e Kyu entrou, fechando a porta atrás de si para que eles conversassem.

– Eu realmente achei que você não vinha mais hoje, Kyunie. – Afirmou Siwon, diminuindo o sorriso ao ver o olho machucado do rapaz. – O que houve com o seu olho?

– Eu trouxe o seu livro. – Disse Kyuhyun evasivo, deixando o livro sobre a mesa, enquanto se sentava de frente para o rapaz.

– Kyuhyun! – Disse Siwon ríspido, se levantando de seu lugar e contornando a mesa até parar ao lado do mais novo e puxar seu rosto para poder fita-lo mais de perto. – O que houve com o seu olho?

– Foi um acidente! – Defendeu Kyuhyun, tentando se livrar das mãos de Siwon. – Não houve nada!

– Se você não me contar eu vou encher a paciência do Donghae pra ele me contar e eu tenho certeza que ele sabe. – Afirmou Siwon afastando os cabelos do rapaz. – E ele vai me contar.

– Senta ali, hyung e eu te conto. – Afirmou Kyu baixando o rosto. – Mas você vai ter que me prometer que não vai me interromper, nem ficar bravo, nem fazer nada. Só vai ouvir.

Siwon levantou-se e se afastou do rapaz, sentando-se na cadeira do lado contrário da mesa. Ele apoiou os cotovelos na mesma e fitou Kyuhyun demoradamente, que por sua vez, suspirou algumas vezes, procurando as palavras corretas para começar seu relato. Ele contou com detalhes o que acontecera entre os dois, ressaltando é claro, como ele jogara o objeto em seu namorado o fazendo sangrar antes daquele hematoma ocorrer em seu rosto.

– Kyuhyun, aquele filho de uma puta te bateu? – Disse Siwon, com os punhos fechados embaixo da mesa. – Me diga, por favor, que você foi esperto o suficiente pra terminar com ele e processar esse infeliz.

– Hyung, eu agredi ele primeiro. – Defendeu Kyuhyun. – E nós conversamos e nos resolvemos ontem, não precisa se preocupar, está tudo bem.

– Tudo bem? Eu imagino como as coisas estão bem entre vocês, com os dois se matando dentro de casa, deve estar um relacionamento agradabilíssimo. – Ironizou Siwon. – Isso que ele fez, é inadmissível!

– Não é você quem decide isso, Wonie, sou eu!

– E você decide pelo que? Fazer as pazes, trepar com o cara e ir em frente! Com certeza a atitude mais sensata e racional! – Ironizou Siwon. – Ele é um tapado, um idiota e quando resolve agir como macho te mete um soco na cara!

– Pare!! Você não pode falar assim dele!

– Eu não posso? Eu posso acabar com a vida acadêmica dele, Kyuhyun. Se eu não quiser, o seu namorado não se forma nem esse ano, nem no próximo! Ele vai perder aquele empreguinho miserável dele, e vai acabar como um atendente de lanchonete medíocre, um perfil que na verdade se encaixa muito melhor a ele.

– Ele não te fez nada, Siwon. – Ralhou Kyuhyun. – Isso é problema meu e eu juro que se você se meter…

– Vai mesmo me atacar? Vai me ameaçar? O seu senso de julgamento está muito deturpado, Kyuhyun. – Afirmou Siwon, cruzando os braços. – Como você pode? Perdoar aquele canalha?

– Porque eu machuquei ele primeiro. – Afirmou Kyuhyun se levantando calmamente. – Como você pode me julgar por ter perdoado o meu namorado, sendo que eu perdoei você, que me machucou muito mais, por muito mais tempo.

– Eu nunca encostaria a mão em você. – Defendeu-se Siwon também se levantando.

– Acredite, superar uma briga intensa com o Changmin é muito mais fácil do que o seu abandono. Você não faz ideia do que aquele relacionamento significava para mim e não tem moral alguma pra julgar o meu namorado. Você me machucou mais do que ele.

– Kyuhyun, não compare o nosso relacionamento com o que você tem com o Changmin, são coisas completamente diferentes.

– Não pra mim. – Disse Kyuhyun sentindo as lágrimas quentes escorrerem pelo lado de seu rosto. – Eu imagino que você goste de me ver chorar, o que acha que será de mim quando a carreira do Changmin estiver destruída? Acha que eu sou o tipo de homem que vai desistir dele porque ele não é bem sucedido? Quando eu conheci o Changmin ele nem sabia matemática e olhe onde ele está agora, ele superou todas as minhas expectativas e eu já amava ele antes disso. Eu me apaixonei pelo Changmin desleixado, mulherengo, irresponsável, o Changmin que é o seu oposto.

– Eu acho que você ainda não percebeu a gravidade do que ele fez. – Argumentou Siwon. – Ele te agrediu, Kyuhyun.

– Eu sei exatamente o que ele fez, e se for um erro perdoar ele, eu assumo as consequências. – Afirmou Kyuhyun. – Essa conversa terminou, e eu juro que se…

– Vem aqui. – Disse Siwon, suspirando pesadamente e contornando a mesa para abraçar o mais novo pela cintura, o sentindo encaixar-se em seu abraço, ainda que estivesse frio consigo. – Eu só quero te proteger, ele vai te machucar de novo, Kyunie, e eu não vou ficar só assistindo.

– Você vai ter que aceitar que eu dei uma segunda chance para o Changminie. – Afirmou Kyu escondendo o rosto contra o ombro do outro. – Vai ter que aceitar que nós dois não desistimos do nosso relacionamento. E que mesmo que não dê certo, não há nada que você possa fazer sobre isso.

– Desculpe, eu me irritei. – Afirmou Siwon, acariciando os cabelos finos com a ponta dos dedos, buscando disposição para solta-lo, sem sucesso. Ele o apertou mais naquele abraço quando a voz do mais novo ecoou novamente.

– Wonie, eu quero te perguntar uma coisa.

– Sim?

– Mas você não pode contar para o Hyukie-hyung, nem para o Hae-hyung. – Pediu Kyuhyun, finalmente sentindo Siwon afrouxar o abraço e fitar-lhe.

– O que é, meu menino?

– Como você fazia? Como fazia o nosso relacionamento dar certo, mesmo trabalhando e estudando?

– Eu não fazia. – Afirmou Siwon, sentando-se na cadeira onde antes Kyu estava acomodado e o puxando para próximo de si pela cintura. – Você fazia aquilo funcionar. A nossa casa, o nosso relacionamento funcionavam porque você sabia perfeitamente o que fazer. Você cuidava do nosso casamento e eu cuidava do resto, era assim que nós funcionávamos.

– Eu quero que funcione com o Changminie. Não precisa ser perfeito, mas precisa funcionar.

– Quer saber por que as coisas funcionavam perfeitamente entre nós?

– Quero.

– Porque você era o namorado perfeito. – Afirmou Siwon apertando a cintura do rapaz brevemente. – Porque você me apoiava em tudo o que eu fazia, e não se importava com a minha falta de tempo. Você se contentava em ficar em silêncio, lendo ao meu lado, enquanto eu trabalhava. Se contentava em dormir ao meu lado enquanto eu escrevia a minha tese, e com os breves jantares que nós tínhamos juntos.

– O que eu faço, pra funcionar assim entre eu e o Changminie?

– Enquanto ele não apoiar os seus projetos, as coisas não vão funcionar entre vocês. – Afirmou Siwon, acariciando o lado do corpo do outro o consolando. – Enquanto ele for egoísta e injusto, não vai dar certo.

Kyuhyun suspirou pesadamente, sentindo Siwon afastar as mãos de si e se levantar. O mais novo apenas assentiu, não respondendo ao conselho do outro enquanto o fitava juntar suas coisas e guarda-las em sua pasta. O mais novo fitou a tela de seu celular brevemente, antes de discar o número já conhecido de seu namorado para avisa-lo que poderia ir busca-lo, uma vez que ele já estava de saída.

– Vamos almoçar? Hoje tem panquecas em um restaurante perto daqui. – Afirmou Siwon, sorrindo discreto.

– Desculpe, Wonie, eu prometi almoçar com o Changminie. Vou pedir para ele vir me buscar.

– De forma alguma, eu te levo em casa. – Pontuou Siwon com firmeza.

– Eu não acho que ele esteja em casa.

– Pois então pergunte onde ele está, eu te levo até ele. – Afirmou Siwon, fitando Kyu obedecê-lo prontamente e ligar para o namorado. Depois de uma troca de meia dúzia de palavras, Kyu fitou Siwon com ar surpreso e desligou o aparelho.

– Ele ainda está na delicatessen, com o Yoochun-hyung! – Afirmou Kyu pensativo.

– Ah, o Chunnie, não sabia que eles eram amigos. – Afirmou Siwon pegando sua pasta e abrindo a porta para Kyu passar.

– Eles não são amigos!

Com esse estranhamento, Kyu e Siwon saíram da biblioteca não se demorando a deixar a faculdade, enquanto seu assunto finalmente voltava-se para o projeto que eles tinham em comum. Siwon o propôs que se encontrassem no domingo para que juntos corrigissem a conclusão já escrita por Kyu e discutissem o último tópico do artigo que logo seria escrito pelo rapaz, no entanto, ele prometera passar mais tempo com Changmin, assim seu tempo ficara reduzido para domingo a noite.

Siwon impacientou-se com a nova conclusão de seu aluno e argumentou com este durante todo o caminho até a delicatessen, no entanto, Kyu estava irredutível. Depois de salientar as implicações que aquele novo método teria para seu novo emprego, Siwon desistiu, deixando que o rapaz visse seu erro sozinho, uma vez que aquilo estava fora de seu alcance. Eles foram silenciosos pelo caminho e Kyu concluiu que não previra que ficaria tão chateado por decepcionar Siwon.

Siwon o deixou em frente ao estabelecimento, e seguiu para seu próprio apartamento onde almoçaria sozinho e passaria o resto da tarde lendo um pesado livro técnico. Kyu adentrou a delicatessen, procurando por seu namorado. Ele encontrou Changmin em um canto, com Yoochun a sua frente e os dois riam de algo que Kyu desconhecia. Antes dele se aproximar, ele ainda viu Micky se levantar, falando algo com quem Changmin apenas concordava.

Kyu se aproximou estranhando a cena. Changmin sorriu-lhe assim que o visualizou e Micky logo volveu o corpo em sua direção, também sorrindo a ele. Kyu reverenciou o mais velho que o respondeu e só então ele percebeu que sobre a mesa, os dois rapazes colecionaram algumas xícaras de cafés e pequenos pratos sujos de doce. Yoochun apertou-lhe a mão, dizendo simpático:

– Eu estou de saída, Kyu, o Junsu já deve estar pra chegar e eu tenho que levar os croissants dele.

– Já? Não vai nem tomar um café comigo, hyung?

– Eu adoraria, mas como eu disse, quero estar em casa quando o Su chegar. – Sorriu-lhe Yoochun. – Ah, Changmin-ah, não esqueça, amanhã a noite!

– Está combinado, hyung!

– Até mais e juízo vocês dois!

Kyu arqueou as sobrancelhas, recebendo alguns tapinhas nas costas quando Yoochun se afastou de si em direção a saída do estabelecimento. Changmin não parecia mais chateado ou irritado como naquela manhã, enquanto guardava sua carteira no bolso e se levantava preguiçosamente. Changmin se aproximou enquanto Kyu esperava uma explicação e roubou um selar de seus lábios antes de falar-lhe:

– Vai querer comer algo aqui?

– Não. – Disse Kyuhyun. – Vamos almoçar em algum restaurante lá no centro.

– Ótimo! – Sorriu-lhe Changmin o puxando pela mão.

– Changmin! – Kyu chamou-lhe a atenção enquanto caminhava ao seu lado. – Quer me contar o que diabos está acontecendo aqui?

– Do que está falando?

– Do Yoochun-hyung! O que ele fazia aqui, com você?

– Ele estava comendo torta. – Explicou Changmin retirando a chave do bolso e adentrando o carro enquanto Kyu fazia o mesmo. Assim que eles estavam devidamente acomodados, Changmin voltou a falar. – Eu encontrei com ele na fila, ele veio até aqui comprar croissants para o Junsu-hyung que foi trabalhar hoje pela manhã.

– Aí ele simplesmente resolveu passar a manhã ali com você?

– Mais ou menos. – Afirmou Changmin dando partida no carro saindo dali. – Ele ia ficar sozinho em casa até a hora do almoço e eu também, então ele me chamou pra comermos um pedaço de torta e nem vimos a hora passar, até você me ligar.

– Só isso? E sobre o que conversaram?

– Muitas coisas. – Disse Changmin arqueando as sobrancelhas. – O que é esse interrogatório?

– O que? Nada! Eu não posso mais me interessar pela manhã do meu namorado?

– Pode. Só não tem sido muito comum. – Afirmou Changmin pensativo. – E sobre amanhã a noite, ele me chamou pra ir a casa dele e do Junsu, vai ter um show interessante na TV a cabo. Quer ir comigo?

– Amanhã a noite eu vou à casa do Siwon, pra…

– Eu imaginei. – Interrompeu Changmin, desviando o olhar para o rapaz quando o veículo parou em um sinal fechado. – Eu disse a ele que achava pouco provável que você fosse, mas agradeci o convite mesmo assim.

– Changminie, entenda, se hoje eu vou passar o dia com você é porque amanhã eu vou ter muito trabalho a fazer. – Explicou Kyuhyun.

– Eu sei. – Changmin deu de ombros. – Como foi lá? Você disse que ia levar o livro, mas ficou bastante tempo fora.

– Nós ficamos conversando. – Afirmou Kyuhyun, suspirando pesadamente.

– É por isso que você está mal-humorado?

– Não Changmin, eu estou mal-humorado porque tive uma DR com você às oito da manhã! – Disse Kyuhyun, vendo seu namorado desviar o carro para o acostamento e para-lo.

– Então a culpa é minha?

– Eu não disse isso. – Afirmou Kyuhyun, baixando o rosto e suspirando pesadamente. – Desculpe Changminie, eu não tive uma manhã muito boa.

– E a porra da culpa, é minha? – Indagou Changmin, fazendo o menor erguer o rosto com os olhos arregalados.

– Não. – Disse Kyuhyun fitando seu namorado fixamente. – Por que tudo o que eu falo te deixa assim?

– O que esperava? Que eu pedisse desculpas?

– Eu esperava um sábado agradável, mas pelo visto isso vai ser impossível.

– A minha companhia se tornou desagradável agora? – Indagou Changmin indignado, dando a partida no carro e dando a volta. – Vamos para casa, eu te deixo lá e vou para outro lugar.

– O que? Changmin…

– Não se preocupe, você não terá o desprazer da minha companhia neste sábado, Cho Kyuhyun.

– Eu não disse isso, Changmin! – Disse Kyuhyun indignado. – Eu só…

– Só o que?

– Eu só queria ficar com você. – Afirmou Kyu acariciando o braço de seu namorado, calmamente. – Eu não me importo em ficar em casa, mas eu quero você comigo.

– Por que? – Indagou Changmin, diminuindo a velocidade do veículo e novamente o guiando para o acostamento.

– Porque você é o meu namorado, e eu quero você comigo hoje e não vou ter tempo outro dia da semana. – Kyuhyun soltou o cinto e se aproximou de seu namorado que demorou a desviar o olhar para si. – Eu te chateei logo que você acordou, discuti com o Siwon, você passou a manhã com outro homem e agora eu discuti com você. Entenda, este não está sendo o dia mais legal do mundo.

– Eu teria passado a manhã com você se você tivesse me dado uma chance. – Retrucou Changmin.

– Eu sei, meu Changminie. – Disse Kyuhyun finalmente acariciando o rosto de seu namorado. – E minha manhã teria sido perfeita ao seu lado, mas eu tenho obrigações e eu não quero perder esta tarde linda brigando você.

– Então não brigue. – Disse Changmin, suspirando pesadamente. – Ainda quer almoçar em um restaurante e depois ir no cinema?

– Quero. – Disse Kyuhyun sorrindo discreto e retribuindo o beijo que seu namorado deixou em seus lábios.

Changmin fez a volta mais uma vez e dirigiu silencioso até o centro. Eles comeram em um restaurante típico coreano, mas somente voltaram a conversar quando já estavam devidamente alimentados. Era a primeira vez em meses que o assunto de sua conversa não era a faculdade, o trabalho, Siwon e nem o relacionamento dos dois. Falar sobre o filme que assistiriam mais tarde era certamente muito mais agradável. Eles andaram de mãos dadas pelo shopping, olharam vitrines, desinteressados, e depois enfrentaram a fila dos ingressos.

Enquanto esperavam na fila, Kyu viu uma de suas colegas de sala sorrir e acenar pra Changmin que a cumprimentou cordialmente. Antes que a mesma pudesse puxar papo com seu namorado ele o abraçou, selando seus lábios demoradamente. Eles seguiram ao longo da fila daquela maneira, entre beijos enquanto não estavam andando, o que certamente incomodara os outros clientes do local. Eles escolheram uma comédia, afinal, precisavam relaxar.

Eles assistiram metade do filme e namoraram durante a outra metade. Enquanto o casal trocava beijos no cinema, o clima entre eles aos poucos melhorava e a discussão no carro ia ficando para trás em suas memórias. Eles voltaram para casa tarde da noite e depois de um delicioso e tranquilo jantar, voltaram para suas obrigações. Quando terminou suas tarefas e adiantou as do dia seguinte, Changmin sentou-se ao lado de seu namorado que fitava atentamente a tela de seu notebook, na cama.

– Príncipe?

– Sim?

– Foi um bom sábado, não foi? – Disse Changmin, vendo Kyu desviar o olhar para si.

– Foi sim, Changminie. – Afirmou Kyu acariciando os cabelos de seu amado quando este se deitou ao seu lado. – Você se divertiu?

– Bastante. – Disse Changmin apoiando a mão na cintura de seu namorado. – Amanhã você vai jantar com o Siwon?

– Eu acredito que sim. – Disse Kyu finalmente desviando a atenção para seu computador. – Espero que o humor dele tenha melhorado até lá.

– Quer me contar por que vocês discutiram?

– Nós discutimos por causa do meu olho roxo. – Disse Kyu simplista. – Eu não vou te contar os detalhes, pra não te ver irritado, mas eu acho que venci o Siwon na argumentação.

– É melhor eu não saber. – Disse Changmin simplista. – Estou com sono, você vai demorar aí?

– Não, Changminie, eu logo vou dormir também. – Disse Kyu voltando a acariciar os cabelos de seu namorado enquanto lia o que escreveu. – Durma com os anjos.

O domingo certamente foi muito mais tranquilo do que o sábado para Kyu e Changmin que passaram o dia em casa entre suas pesquisas empíricas, sem tratar de assuntos estressantes e vez ou outra fazendo pausas para que pudessem curtir a presença um do outro. Quando a noite chegou, eles trataram de trajar roupas confortáveis, mas de bom gosto e tomar caminhos diferentes. No apartamento de Junsu, o casal se preparava para a visita da noite, ambos ansiosos, afinal não recebiam muitas visitas.

Junsu possuía um número maior de amigos, no entanto, trabalhava tempo demais e não tinha tempo de recebê-los em sua moradia. Yoochun pelo contrário, não era a pessoa mais sociável e em função disso, não recebia visitas para si, com exceção dos amigos em comum com seu namorado, como Hyukjae, Donghae e Siwon. Era a primeira vez que ele próprio chamava uma visita que fizesse-lhe companhia, por mais que ele soubesse que sair a noite, faria mais bem a Changmin do que a si.

Yoochun nunca sentira falta de conversar com outro alguém que não fosse Junsu até parar e dialogar com Changmin. A reação de seu namorado o fizera rir, uma vez que este ficara feliz como se Micky fosse um garotinho acabando de fazer seu primeiro amigo no jardim de infância. Junsu preparara ao longo da tarde, diversos quitutes que eles saboreariam enquanto assistiriam ao festival transmitido pela TV. Quando a última sobremesa já estava na geladeira, Junsu sentou-se ao lado de seu namorado que estava na sacada olhando o movimento.

– No que está pensando?

– É estranho, eu convidar alguém para assistir TV comigo e você ficar ansioso. – Riu-se Yoochun. – Mentira, eu estava pensando em como você é.

– Como eu sou? Como assim? – Indagou Junsu, deitando-se em seus braços.

– É, eu estava pensando nas suas qualidades. – Disse Yoochun o abraçando pelos ombros. – Em como você é bonito, simpático, amável e inteligente. Não é a toa que tem mais amigos do que eu, e que é mais bem sucedido do que eu.

– Lá vem você com essa história. – Disse Junsu escondendo o rosto contra o peito de seu namorado. – Me diga a verdade, te incomoda que eu ganho mais dinheiro que você?

– Um pouco. – Afirmou Micky pensativo, enquanto a ponta de seus dedos se embrenhavam em seus cabelos. – Eu ainda não esqueci o dia que você propôs que eu parasse de trabalhar.

– Chunnie, eu falei sem pensar. – Disse Junsu erguendo o rosto.

– É eu sei, mas ainda assim, é estranho pensar que não sou eu o homem dessa casa.

– Nós dois somos homens, Micky. – Afirmou Junsu com um sorriso discreto. – Confesso que eu não me importaria em ganhar um salário menor para poder ficar mais tempo ao seu lado.

– Não diga isso, você batalhou para chegar onde está, não deveria querer regredir agora. – Afirmou Yoochun, sorrindo discreto. – Você já fica um bom tempo comigo, não se sente mais carente, certo?

– Não. – Afirmou Junsu se acomodando novamente no abraço de seu namorado. – Eu me sinto completo com você aqui, mas eu queria mesmo passar mais tempo com você, ao mesmo tempo em que quero manter esse nosso conforto. Você gosta desse nosso estilo de vida?

– Gosto. Não gosto é de saber que a minha participação na conquista dele foi mínima.

– Você é tão sensível, Micky, em relação as coisas que ferem a sua masculinidade. – Afirmou Junsu. – Eu acho que me acostumei assim, me apaixonei pelo cara que me disse que nunca beijaria um viado, nem se tivesse bebido todo o soju do mundo.

– Eu já gostava de você quando te disse aquilo. – Afirmou Yoochun o apertando contra si. – Só não admitia.

– Me beijou sem nem uma gota de álcool no sangue né? – Riu-se Junsu, se encaixando contra seu amado. – Micky, como estão o Changmin e o Kyu?

– Não muito bem. – Afirmou Yoochun. – Eu lembro quando eu discutia com o Yunho, ficar um tempo fora de casa me fazia bem, vai fazer bem para o Changminie também. Ele anda preocupado e sinceramente, o Kyu faz ele de gato e sapato.

– Não fale assim, o Hyuk falou que o Kyu sofre demais com tudo isso.

– O Hyuk mima o Kyuhyun desde que ele era um adolescente e o Donghae também. – Criticou Yoochun. – Por isso ele acha que as coisas tem que ser do jeito dele o tempo todo e não é bem assim.

– E você não é assim também?

– Se eu fosse, o dono de casa seria você. – Afirmou Yoochun.

– Lá vem você de novo! – Reclamou Junsu. – Você também gosta que as coisas sejam do seu jeito, e cede muito menos do que eu quando nós dois discutimos.

– Mas você gosta de ceder pra mim. – Riu-se Yoochun.

– Vai começar? – Indagou Junsu, desviando o olhar para o sorriso de Yoochun.

– Admite que gosta de ceder muito pra mim ou eu te mordo! – Ameaçou Yoochun.

– Morde que eu… AI! – Reclamou Junsu quando o rapaz capturou seu lábio inferior entre seus dentes.

– Admita ou eu arranco isso de você gemendo!

– Tá bom, eu gosto! E nem pense em nada pervertido, você tem visita e eu tenho uma planilha que vai me tomar a noite!

– Deixa, quando eu te pegar, não vai sobrar muito. – Riu-se Yoochun o deixando deitar-se sobre seu colo e bater em seu peito com a mão espalmada. – Eu te amo, sabe?

– Eu também te amo, mesmo você sendo um machista bobão. – Riu-se Junsu.

– Mesmo eu tendo um emprego medíocre?

– Você não tem um emprego medíocre, tem um bom emprego e participa da economia dessa casa. – Afirmou Junsu. – Eu não podia escolher um companheiro melhor.

Yoochun sorriu satisfeito com o desfecho de tal conversa e beijou seu namorado demoradamente. Ele tinha que aproveitar os raros momentos com Junsu, beija-lo, abraça-lo, toca-lo, pois sabia que logo ele teria que mergulhar novamente em seus afazeres. Ele sabia que Junsu escolhera aquele meio de vida quando ainda morava no Japão, uma vez que não tinha um namorado a quem dedicar seu tempo. Junsu não se arrependia em geral de escolher aquele caminho, por mais que tivesse vontade de jogar tudo para o alto nas noites que vira Yoochun ir dormir sozinho.

A campainha tocou e surpreendeu o casal, apesar de já ter anoitecido e de faltar apenas quinze minutos para o começo do show. Eles selaram os lábios e foram juntos atender a Changmin que trouxera consigo dois cupcakes para o casal que tão fraternalmente o recebera em casa. Changmin se acomodou no sofá ao lado de Yoochun que trouxera uma travessa com os variados quitutes, enquanto Junsu se acomodou no computador.

Não demorou muito para os dois se desatentarem do show e começarem a conversar, coisas corriqueiras de suas rotinas. Para Changmin era um alívio conversar sobre assuntos que não eram de teorias complicadas, ou estressantes, enquanto Junsu surpreendia-se com a naturalidade da aproximação dos dois rapazes. Yoochun falava menos, mas ainda assim sentia-se confortável perto de Changmin, como poucas vezes ocorrera em sua vida. Nascia ali, no sofá da confortável sala de estar do apartamento, uma bela amizade.

Anúncios

2 pensamentos sobre “Capítulo 43 – Friendship

  1. Oiiiiiiiiii Unnie *O*
    Estou aqui fazendo mais um comentário, é uma pena que você não posso me responder U_U
    Enfim.. sabe agora vou lhe falar um coisa muito séria…
    Candy Bar é demais /OOOOOHNOSSA
    A briguinha do YooSu é tão fofa, que da vontade de aperta eles até explodi *u*
    Realmente espero que o Siwon não demore mais muito na vida deles, poxa ele é muito chato, fica se intrometendo..
    E o Kyu ainda se importa muito com o que o Siwon pensa, isso não é bom pro relacionamento dele com o Chang…
    Tipo, não acho que o conselho de Yoochun seja o melhor, mas acho que vai ajudar bastante o Chang, que vai saber mas como se expressar, falar como se sente pro Kyu e tals… realmente espero que o relacionamento deles melhore, eu fico triste em saber que as vezes eles não se dão tao bem U_U
    UNNIE quando o Siwon vai embora? /achoquefoimeiodesnecessariaessapergunta
    Sabe acho que é isso que ta faltando pro Chang, apoiar mas o que o Kyu faz, mas do que ele já apoia. E talvez ele tenha que sair um pouco mais de casa, é bom que ele e o Yoo se tornem amigos, assim talvez acabe com o estresse do Chang, e assim ele e o Kyu possam ter um relacionamento mais saudável \O/
    Sabe, eu sinto que o Chang e o Siwon ainda vão ser amigos, não amigos de não se desgrudarem, mas amigos de um ir com a cara do outro e poderem trocar palavras e não xingamento LOL
    Enfim…. Esperando o próximo Unnie ! Chuu ~ ♥

    • Oi Cherry!!
      Ai meu anjo, eu tenho tentado responder, mas tem tantos acumulados que fica até dificil! Mas saiba que eu li todos os seus comentários e amei todos eles! ❤
      Ah e eu fico feliz em saber que você está gostando! ❤
      Siimmm a briguinha YooSu foi fofa mesmo, mas é porque eles sabem se resolver sem ter que levar tudo ao extremo!
      Siimm o Siwon serve mesmo pra atrapalhar o relacionamento do Changmin com o Kyu, exatamente porque ele não tem medo de falar o que pensa, assim como tem certeza que o Kyu super dá atenção para o que ele fala e é claro, sem perceber o quanto isso envenena o relacionamento dele com o Changminie!
      Siimm!! O Yoochun entende o que o Changmin está passando, e apesar de não ser a pessoa mais amada do mundo, soube aconselhar o Chang mais do que qualquer outro. Além do que como o Junsu comenta, ele é muito sozinho, então ter a companhia do Changmin é algo agradável!
      Ai amore, ele vai demorar um pouquinho pra ir embora, sabe? ;;
      Siiimm, ter a amizade do Chunie vai mesmo ajudar o Changmin, por outro lado, se o Changmin apoiar mais o Kyuhyun ele ficaria mais acomodado do que está, entende? Por isso o andamento desse relacionamento depende tanto do Kyu, porque tudo o que o Changmin está fazendo no momento, não está surtindo um bom efeito, sabe?
      Haaahhahaha é o que o Kyunie quer né? Eles juntos, não necessáriamente BFF's, mas se dando relativamente bem! ❤
      Enfim, meu anjo, eu fico feliz que você esteja gostando e muito obrigada por acompanhar!
      Bjos!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s