Capítulo 44: The end of the most stressful year

 

Novembro trouxe consigo um clima frio e suas duas últimas semanas vieram com uma nevasca que atrapalhou a mobilidade pela cidade. A última semana estava mais fria do que nunca e os habitantes da cidade perceberam que teriam um inverno rigoroso aquele ano. Siwon estava em seu apartamento, fitando a grande janela da sala que dava vista para os outros prédios da redondeza.

Apesar de não ser assim tão tarde, o céu da cidade já estava escuro e o rádio sintonizado em uma emissora qualquer anunciava mais neve para aquela noite. Um casaco fino cobria os braços do rapaz que bebericava uma xícara fumegante de café. Ele tinha dores de cabeça e haviam livros espalhados sobre a mesa do escritório como normalmente, no entanto algo que animaria o seu sábado a noite estava brevemente atrasado.

Ele olhou para o relógio e concluiu que quinze minutos não era assim um atraso tão absurdo e tentava entender os motivos de sua ansiedade. Não era como se o rapaz fosse seu contratado e tivesse que cumprir seus horários religiosamente, no entanto, ele ainda assim desejava que o rapaz já estivesse presente em seu apartamento. Enquanto sua mente guiava-se para a imagem de Kyuhyun, sua campainha tocou, anunciando a visita.

Siwon passou a mão em seus cabelos, bebeu o último gole de café e seguiu para a porta onde Kyuhyun com seus óculos no rosto, um ar cansado e uma mochila o esperavam do lado de fora. Siwon sorriu-lhe e abriu passagem ao mais novo que trajava um casaco pesado e um cachecol que cobria parte de seu rosto. O menor bateu os pés na entrada, deixando a neve ali e depois de retirar o cachecol passou a mão nos cabelos retirando a neve presa aos seus fios.

– Está começando a nevar. – Afirmou Kyuhyun. – Acho que esta vai ser uma tempestade forte.

– Eu gosto de neve, mas essas tempestades vão incomodar este ano. – Afirmou Siwon retirando a mochila do rapaz e logo seu pesado casaco deixou os ombros magros de Kyuhyun. – Você perdeu peso.

– Foi um ano estressante. – Justificou Kyuhyun pegando para si a mochila e deixando que o outro manuseasse seu casaco. – Por outro lado, acho que eu nunca fiz tanto dinheiro em toda a minha vida.

– Recebeu a rescisão de contrato do tribunal é? – Indagou Siwon seguindo com o mais novo até a sala.

– Depois de muita burocracia o dinheiro está na minha conta e vai direto para a quitação do meu apartamento novo.

– Você conseguiu vender o outro?

– Ainda não, aquela área anda muito violenta, ninguém quer morar lá. – Reclamou Kyuhyun. – Eu disse a imobiliária para baixar o preço, vamos ver se funciona.

Kyuhyun seguiu direto para o escritório já conhecido e o adentrou deixando a mochila sobre uma cadeira e se sentando próximo à mesa. Fazia um mês que sua vida se resumira a faculdade, e agora ele era o responsável pelo reforço em matemática, além de participar ativamente da pesquisa de Siwon. Ele nunca se sentira tão realizado quanto naquele mês. Seu raciocínio rápido e capacidade de síntese, faziam de Kyu um ótimo pesquisador, apesar da timidez frente aos alunos a quem ajudava no reforço.

O dia seguinte era a entrega de seu artigo e ele pediu a Siwon para que revisasse uma última vez antes de envia-lo impresso para o editor da revista. Eles já o haviam revisado algumas vezes sem encontrar maiores erros, no entanto, Kyu desejava fazê-lo mais uma vez. Com sua monografia devidamente impressa e revisada, restava a ele apenas aquele artigo e os ensaios para a banca final que ele fazia com Changmin, quando ele não estava gastando seu tempo livre com Micky.

– Está pronto para a banca? – Indagou Siwon assim que adentrou o escritório e se sentou em sua cadeira.

– Eu acho que sim, não sei se o Changminie está. – Afirmou Kyu retirando o notebook de sua mochila e o colocando sobre a mesa. – Ele não gosta muito de ensaiar, tem andado preguiçoso.

– Por que será que isso não me surpreende? – Ironizou Siwon, arrastando para próximo de si o computador do rapaz. – O mande ensaiar se não quiser que eu mesmo reduza a nota dele.

– Não fale assim. – Disse Kyuhyun sorrindo discreto ao ver a foto dos dois em seu desktop, em tempos mais tranquilos, antes de entrega-lo a Siwon. – Ele está cansado, nós dois estamos.

– Eu sei que você está cansado, meu menino. – Afirmou Siwon pegando o computador do rapaz com o documento já aberto. – Mas as férias estão aí e a sua formatura logo chega também.

– Eu acho que sim.

Siwon ficou em silêncio lendo o artigo com atenção enquanto Kyu a sua frente apenas o observava, perdido em pensamentos sobre onde e o que fazia seu namorado àquela hora. O professor leu as vinte e oito páginas com certa rapidez, mais uma vez sem fazer modificação alguma. Quando terminou, Kyuhyun já não estava mais à sua frente e sim na sala de estar parado em frente à estante, fitando os porta-retratos coloridos que Siwon adquirira recentemente.

Em um deles, pequeno, um tanto escondido, Kyu visualizou uma foto que não via há anos. Siwon deixou o computador ligado e seguiu para a sala, fitando seu aluno de costas, enquanto ele pegava um porta-retratos de sua estante. Siwon se recostou à batente de divisa entre a sala e o escritório fitando a silhueta do jovem rapaz que parecia melancólico naquele começo de noite. Siwon se aproximou silenciosamente, e fitou o que o rapaz tão atentamente olhava.

Era a única foto que Siwon tinha de Kyuhyun, tirada em um dos natais que ambos passaram juntos. Eles estavam abraçados, sentados no sofá daquele mesmo apartamento. Os dedos de Siwon estavam embrenhados nos cabelos do Kyuhyun adolescente que sorria para a câmera, com uma das bonecas que ganhara de presente. Kyu desviou o olhar ao professor e sorriu sem jeito, indicando para Siwon o quão melancólico ele realmente estava:

– Onde estava essa foto? Você não deixou com o Hae-hyung?

– Não, esta eu levei comigo. – Afirmou Siwon apoiando o queixo no ombro do rapaz e o envolvendo pela cintura. – Lembra-se desta noite?

– Do que? Da boneca de vestido vermelho? Ou do mousse de maracujá que ficou doce demais? – Disse Kyuhyun sorrindo com o canto dos lábios. – Foi um bom natal, você não acha?

– Foram bons anos, você não acha?

Kyuhyun meneou a cabeça afirmativamente, sorrindo discreto. Ele deixou o porta-retratos em seu devido lugar, enquanto sentia Siwon se afastar. O professor foi à cozinha enquanto ressaltava que não haviam erros em seu artigo, deixando Kyu acomodar-se em sua sala fitando a porta da cozinha, silencioso. O mais alto voltou do local com uma garrafa de vinho e duas taças, as deixando sobre a mesa de centro enquanto servia o líquido.

– Vinho, é gostoso. – Disse Kyuhyun acomodando-se melhor no sofá.

– Claro que é. E eu acho que uma tacinha não irá te atrasar para a sua volta pra casa, certo? – Disse Siwon entregando-lhe a taça e sentando-se na confortável poltrona.

– Acho que não. – Disse Kyuhyun tomando um gole do delicioso líquido.

– O que você tem hoje? – Indagou Siwon. – Andou brigando com o Changmin?

– Não é isso, mas ele mudou muito esse ano. – Afirmou Kyuhyun, bebericando o vinho. – Eu mudei, as coisas mudaram, eu não gosto quando as coisas mudam.

– Eu sei que você não gosta. Do que exatamente está sentindo falta, meu garoto?

– De muitas coisas. – Afirmou Kyuhyun, bebendo um gole mais demorado do vinho. – Você já teve a sensação de que, qualquer outro momento da sua vida, parece melhor do que o hoje?

– Sei. – Afirmou Siwon. – Eu passei anos na Inglaterra me convencendo de que eu era mais feliz aqui com você. A diferença é que você está aqui, envolto por amigos, com um namorado e uma carreira promissora, não sei o que te entristece.

– Eu não estou triste. – Disse Kyuhyun. – Estou nostálgico. Em novembro do ano passado, eu estava feliz com o Changminie mesmo morando longe dele, e no ano retrasado as aulas acabaram e nós transávamos como dois coelhinhos. Em novembro do ano daquela foto eu estava feliz porque tinha passado de ano e você tinha me deixado comprar um tapete peludo para o escritório.

– O tapete? Kyunie, você está dizendo que aquele tapete te fez mais feliz do que a conclusão do seu artigo?

– Eu não estava tão esgotado como estou agora, você não teria mais aulas, teria mais tempo pra mim.

– Você sempre ficava radiante com a chegada das férias escolares. – Sorriu-lhe Siwon. – Acho que você está na fase de adaptação para esta sua nova fase, e por isso está melancólico. Com o tempo isso vai passar e vai chegar a sua formatura e você terá esquecido esta noite.

– Você é feliz, Wonie? Com esse emprego, essa vida?

– Eu era mais feliz na época daquela foto. Eu era jovem, tinha o mundo a minha frente, eu tinha você e você tinha menos preocupações. – Afirmou Siwon se levantando e se sentando ao lado do rapaz. – O que você quer? Para o futuro?

– Eu quero ser como você. Ter um bom emprego, um lugar só meu e você sabe, quero continuar com o meu Changminie.

– Como estão as coisas entre vocês? – Indagou Siwon o abraçando pelos ombros.

– Nós não brigamos mais. – Disse Kyuhyun apoiando o rosto no ombro do outro. – No entanto também não conversamos muito e ele anda meio ranzinza.

– A rotina faz isso com as pessoas. – Afirmou Siwon. – Talvez fosse o momento de vocês gravarem outro filme.

– O que? Não! – Disse Kyuhyun entre risos, bebericando de sua taça. – Aquela foi a última vez.

– Nunca te imaginei se dispondo a algo como isso, não parece do seu feitio.

– Eu fiz tantas coisas com o Changminie que não são do meu feitio, você ficaria surpreso. – Afirmou Kyu sorrindo discreto. – Eu sou menos regrado do que você.

– De fato. – Disse Siwon, sorrindo discreto.

– Wonie, você namorou alguém lá na Europa?

– Eu tentei. – Afirmou Siwon. – Mas não consegui manter nenhum relacionamento longo por lá.

– Eram alunos?

– Está me estereotipando?

– Só quero saber se o seu padrão mudou. – Riu-se Kyuhyun.

– Eu só beijei um aluno na Europa. – Afirmou Siwon pensativo. – Ele era um bom aluno, gostava dos números e do meu abdômen.

– Disso eu também gostava. – Riu-se Kyuhyun, deixando sua cabeça pender e se apoiar sobre o tórax de Siwon. – Lembra como eu gostava de dormir assim?

– Claro que eu lembro, era o jeito de te acalmar quando nós discutíamos. – Afirmou Siwon acariciando seus cabelos. – E quando fazíamos sexo.

– Eu não me lembro disso. – Riu-se Kyuhyun. – Você lembra?

– Acho que o sexo com o Changmin inebriou a sua mente. – Riu-se Siwon, bebericando de sua própria taça.

– Seja sincero, você gostava? Quer dizer, eu era um pirralho, magrelo, eu não sabia nada de sexo. – Indagou Kyu se afastando para poder fitar o rapaz. – Eu não teria paciência para alguém que não sabe fazer nada e nem se mexe direito.

– Eu adorava! – Disse Siwon acariciando os cabelos do rapaz. – Com você eu tive um sexo único, em vários momentos do nosso relacionamento. Acho que a sua primeira vez é o melhor exemplo.

– A minha primeira vez? – Indagou Kyuhyun corando e voltando a se apoiar no ombro do outro, após outro gole demorado sem sua taça.

– Lembra? Você deitou naquela cama, tremendo, pálido e agarrando os lençóis, sem saber direito o que fazer com as mãos. – Siwon segurou a mão do rapaz a acariciando com a ponta dos dedos. – Ficou me olhando quando eu tirei a roupa, comparando o seu corpo com o meu.

– Você percebeu? – Riu-se Kyuhyun. – Você tinha um corpo bonito e o meu era, bem, era o corpo de um adolescente.

– Você tinha um corpo bonito, Kyunie. A pele branquinha, macia, que marcava com qualquer toque que eu fizesse. – Siwon bebeu outro gole antes de dar continuidade. – Sabe o que eu mais gostei? Era saber que nenhum outro homem havia tocado a sua pele antes, saber que eu fui o primeiro a fazer você se sentir daquela forma. Eu gostei da sua timidez, da sua insegurança, de certa forma da sua rebeldia. O seu olhar, não tinha malícia alguma, não tinha luxúria e você não estava fingindo nada em momento algum. Era só uma curiosidade latente e as sensações no seu corpo, só isso, mais nada.

– Eu não entendo como você pôde gostar da minha inexperiência. Eu tinha o seu corpo ao meu bel prazer e não fiz absolutamente nada além de apoiar a minha mão em você pra não cair ou desmaiar.

– Acho que hoje já posso dizer que você entende a complexidade do sexo. Aquele momento em que você tem que buscar o seu próprio prazer ao mesmo tempo em que satisfaz outra pessoa e isso tem que ser feito em parceria. A sua primeira vez não tinha isso, sexo não era complexo naquele momento, eram apenas toques, cheiros, sensações. Nada era falso, forçado, não existia a malícia, você foi incapaz de demonstrar isso naquele momento. É por isso que a sua primeira vez é única pra mim.

– Por que a minha? Não tirou outras virgindades por aí?

– Algumas. – Disse Siwon recostando o rosto ao do rapaz. – Os tempos mudaram, Kyuhyun e hoje as pessoas sabem o que é o sexo antes mesmo de prova-lo. O sexo tem outro significado nos dias atuais, muito diferente da sua fase de experimentação. O Changmin pode ter a sorte de ter você nos dias de hoje, mas eu fui o primeiro e esse é um triunfo que nem ele, nem os meus erros podem tirar de mim.

Kyuhyun volveu o corpo para fitar o professor de frente e se demorou em suas feições. Siwon suspirou pesadamente com a proximidade de ambos e deixou um carinho no rosto do mais novo, o sentindo fraquejar, estremecer. Kyu engoliu seco fechando os olhos, sentindo o aroma de Siwon invadir suas narinas, sentindo o professor se mover, se aproximar lenta e tortuosamente. Então os lábios úmidos do mais velho se recostaram deixando um beijo estalado em seu rosto.

Kyu se assustou e afastou-se bruscamente, deixando a taça vazia cair sobre o tapete enquanto ele se sentava longe de Siwon, voltando a raciocinar desta vez mais rapidamente. Kyuhyun estivera momentaneamente tentado a receber um beijo de Siwon e teria cedido se o rapaz o tivesse pressionado, e por mais que nada tivesse ocorrido, o remorso corroía sua mente naquele momento. Ele estava cansado e sabia que seu relacionamento com Changmin não andava em seu melhor momento, no entanto, não havia motivos para cogitar uma traição.

Falar de seu passado normalmente mexia com seu psicológico, isto ele já sabia, apenas não sabia que caminhos aquelas lembranças poderiam leva-lo a percorrer. Siwon deixou a taça vazia sobre a mesa de centro e ergueu a de Kyuhyun do chão antes de se aproximar do rapaz que se encolheu o retesando. Siwon tinha sua parcela de culpa, assim como tinha sua parcela de perdão. Ele colocou uma de suas mãos no pescoço do rapaz, o forçando a fita-lo enquanto falava:

– Você está escondendo algo de mim, eu sei que está. – Afirmou Siwon. – No entanto, este não é um caminho que você deve seguir.

– Eu tenho andado confuso. – Sussurrou Kyuhyun. – Você entende?

– Entendo. – Afirmou Siwon, acariciando os cabelos do rapaz. – Termine com ele.

– Não. – Sussurrou novamente Kyuhyun. – Eu o amo, mas estou confuso.

– A decisão é sua, assuma as consequências, como eu assumi as minhas quando te deixei. – Disse Siwon se levantando e selando a testa do mais novo.

– Eu preciso ir pra casa. – Disse Kyuhyun se levantando exaltado. – Wonie?

– Sim?

– Não conte ao Hae-hyung, ele brigaria comigo.

– E com razão, você não acha?

Kyu apenas meneou a cabeça afirmativamente, suspirando pesadamente e saiu da sala, seguindo para o escritório a fim de guardar seus pertences. Siwon o acompanhou com o olhar um tanto desapontado, ao mesmo tempo em que desejava prende-lo naquele apartamento e não mais deixa-lo voltar para seu atual namorado. Kyu voltou à sala com a mochila nas costas e disse sem jeito:

– Eu vou pra casa.

– Eu te levo.

– Não precisa, Wonie, eu pego o metrô.

Siwon tomou a dianteira e pegou o casaco e o cachecol de Kyuhyun entregando o casaco ao rapaz, e envolvendo seu pescoço com o cachecol. Kyu calçou as luvas, e fechou os botões vendo Siwon ignorar seu pedido como de costume. O mais velho fechou as janelas, apagou as luzes, pegou o molho de chaves e voltou para próximo a Kyu, trajando agora um pesado casado que ia até seus joelhos.

– Vamos?

– Wonie…

– Eu não vou te deixar pegar metrô nesse frio.

Kyuhyun finalmente assentiu seguindo Siwon em direção à saída, percebendo finalmente que passar tempo demais com o professor estava balançando seu psicológico. Em seu apartamento, Changmin decidira que não sairia naquela noite como disse ao seu namorado, no entanto, a companhia de Yoochun ajudou a passar as longas horas que seu namorado passou no apartamento de Siwon.

O próprio Micky fez chacota da situação dos dois rapazes que consideraram o clima frio demais para sair e terminaram no apartamento de Changmin, como Yoochun os descrevera “duas amiguinhas em uma festa do pijama”. Changmin não tinha muito com o que discordar, já que os dois dividiam o mesmo cobertor, sentados um em cada canto do sofá, com as pernas entrelaçadas sobre este.

Eles bebericavam pequenas garrafas de cerveja e o engradado já pela metade estava sobre a mesa, assim como um pote com amendoins que os dois iam devorando. Na televisão, um filme de ação ao qual, os dois não davam devida atenção, uma vez que paravam para comentar suas vidas, e outros assuntos de seu interesse. Quando o clímax do filme foi se aproximando, Changmin começou a se sentir sonolento:

– Hey, eu já vou nessa, Changminie. – Disse Yoochun.

– Não hyung, fica até o Kyu chegar. – Pediu Changmin se recostando ao sofá. – O Junsu-hyung ainda não te ligou né? Está preocupado?

– Um pouco pra ser sincero. Não sei se eu deveria ter ido nesse happy-hour com ele.

– Ele foi obrigado a ir?

– Mais ou menos. O que acontece é que o meu Su é a galinha dos ovos de ouro daquela empresa e eles não vão perdera oportunidade de exibir o meu namorado para os investidores.

– Investidores? Em um happy-hour?

– É assim que essa empresa funciona. O Junsu me disse que eles não levam os investidores a um jantar de negócios pra não parecer que estão pressionando eles a nada, aí mostram os talentos da empresa e já os deixam confiantes durante o happy-hour. Depois vem o jantar, só para as formalizações.

– Então é por isso que ele faz hora extra. – Afirmou Changmin. – E por que você não vai com ele, hyung?

– Eu acho esses encontros chatos demais. Primeiro é tudo muito contido, a empresa é ótima, todo mundo é legal, aí o álcool sobe e começam as piadinhas sem graça, principalmente sobre a sexualidade do meu Su.

– Eles fazem comigo também. – Disse Changmin, sorrindo discreto. – Dizem que eu ainda não saí do armário.

– Só porque você não fala feito uma bichinha e não vai trabalhar de gloss?

– Deve ser isso. – Disse Changmin se espreguiçando demoradamente e abrindo outra cerveja.

– Sabe, me incomoda um pouco o Su ser mais bem-sucedido do que eu. – Disse Yoochun, pensativo. – É como se ele estivesse em ascensão e eu estivesse boiando no mesmo lugar desde que comecei a namorar o Yunho.

– Já disse isso a ele, hyung?

– Algumas vezes. Ele diz que eu não devia me incomodar com isso, mas a verdade é que eu queria proteger ele, no entanto não consigo nem sustentar ele.

– E quem protege você, hyung? Se você ficar protegendo ele?

– Não sei. – Disse Yoochun pensativo. – No final das contas, acho que nossos papéis estão trocados. Por que me perguntou isso?

– Porque eu sempre quis proteger o Kyunie, do passado dele, do presente, de tudo o que pode machucar o coraçãozinho dele, mas eu não tenho ninguém por mim, hyung e ele tem os hyung-dul dele.

– Você tem a mim, Changminie. E você não pode proteger o Kyu do que ele não pode e não quer ser protegido. Ah e é claro, você tem a vadia do seu amigo Jaejoong.

– Não chame ele assim, hyung. – Disse Changmin entre risos. – O Jaejoongie é o meu melhor amigo, mas tem o relacionamento dele pra cuidar.

– E o Yunho não é a pessoa mais fácil do mundo de se conviver, por isso sei que o seu amiguinho vai ter trabalho. – Afirmou Yoochun. – Changmin, você acha que o Kyu já te traiu alguma vez?

– Por que a pergunta, hyung?

– Você tem tanto ciúme do Siwon, o que acha que já aconteceu entre eles?

Changmin ficou silencioso, uma vez que seu ciúme era muito mais baseado nos enfrentamentos que tivera com Siwon e no fato de seu namorado passar pouco tempo consigo do que em uma desconfiança mais palpável. Por alguns instantes ele se perguntou por que não desconfiava de Kyuhyun e se fosse desconfiar, até onde acreditava que seu namorado iria.

– Eu não sei, hyung. – Disse Changmin pensativo. – Eles passam muito tempo juntos, teriam a oportunidade se quisessem.

– Você quer dizer, se o Kyuhyun quiser. – Afirmou Yoochun. – O Siwon quer, pelo que você me disse, o que impede algo de acontecer é a honestidade do seu namorado, porque o Siwon não iria forçar a barra.

– Você acha que não, hyung? Acha mesmo que ele não tentaria nada quando tivesse a oportunidade perfeita?

– Não acha que o Siwon já carrega culpa demais pra levar o Kyu por um caminho como este? – Disse Yoochun. – Ele não iria querer se envolver, entenda, o Siwon é metódico, racional e o seu namorado apesar de também ser metódico é mais emocional. Se fosse acontecer algo entre os dois, partiria do Kyuhyun, assim como se acontecesse algo entre o Jaejoong e o Yunho, viria do Jaejoong.

– Eu não sei se o Kyu faria isso, a menos que ele estivesse muito carente. – Afirmou Changmin. – Só sei que se ele fizer, eu mato ele.

– Não mata não. – Yoochun sorriu discreto. – Você vai é chorar como uma criança e depois dar a volta por cima, eu sei que vai.

– Sabe, hyung, eu já imaginei o fim do meu namoro com o Kyu de diversas formas, mas nunca como uma traição.

– Por que você não gasta sua energia pensando em como vai ser o seu futuro com ele?

– Eu não sei, hyung, acho que é porque o meu Kyunie anda muito distante nos últimos dias. – Afirmou Changmin. – Eu espero que isso mude com a chegada das férias e as festas de final de ano.

– Vai ter a sua formatura também.

– Hyung, eu estive pensando, será que se eu fizesse uma boa surpresa para o Kyu as coisas melhorariam entre a gente?

– A sua última surpresa não deu muito certo, lembra? Mas eu também andei pensado em preparar algo para as férias coletivas do Junsu, o que tem em mente?

– Quando eu conheci o Kyu ele disse que queria chamar a família dele para a formatura. Eu pensei em ir atrás dos pais dele e levar os convites, já que ele mesmo desistiu disso por causa da falta de tempo.

– Agora sim você está sendo esperto, Changminie! – Disse Yoochun, aprovando a ideia. – O que nós não temos certeza é se o pai dele não vai te dar um tiro quando você se apresentar como o namorado dele.

– Eu assumo o risco. – Sorriu-lhe Changmin. – Quando a minha banca passar, nós dois vamos atrás dos pais dele, hyung.

– Quem disse que eu vou te ajudar? – Brincou Yoochun. – Eu pergunto pro Su se ele tem alguma ideia de onde eles estão, se ele não souber falamos com o Hae e o Hyuk e em último caso, eu mesmo falo com o Siwon.

– Por enquanto eu não posso me preocupar com isso, tenho que ter foco na banca, porque se eu for mal, o Siwon não vai ter dó nenhuma de diminuir a nossa nota.

– Tem estudado?

– Muito menos do que o Kyuhyun. – Afirmou Changmin. – Os slides estão prontos, eu já tenho muita coisa memorizada e organizada em fichas pra caso eu me perca. Agora falta pouco, hyung.

Assim que Changmin terminou a frase, eles ouviram a tranca da porta sendo destravada e Kyuhyun adentrou o local, deixando seus sapatos com neve juntos à entrada. Ele se livrou do casaco pesado também na entrada e seguiu para a sala, onde os dois rapazes ainda estavam preguiçosamente esparramados no sofá. Yoochun deixou sua garrafa vazia sobre a mesa e tratou de se levantar, enquanto Changmin saudava seu companheiro:

– Chegou cedo, meu príncipe, como foi lá?

– Normal, amanhã mesmo eu vou levar na gráfica para imprimir. – Disse Kyu se aproximando e se sentando no braço do sofá, ao lado de seu namorado. – Eu achei que vocês dois iam sair.

– Mudamos de ideia, tá frio demais. – Disse Yoochun se levantando e começando a arrumar as coisas sobre a mesa. – E agora eu vou mesmo, o Kyu já chegou e você não vai mais ficar sozinho.

– Deixa que eu arrumo isso, hyung. – Afirmou Changmin se levantando e depois de tomar as coisas das mãos de Yoochun ele seguiu para a cozinha.

– Não precisa ir agora, hyung. – Afirmou Kyuhyun se acomodando no sofá.

– Na verdade, eu preciso sim, logo o Junsu chega e eu quero estar em casa. – Afirmou Yoochun. – O Changminie me chamou para ir assistir a banca de vocês dois, mas eu não vou poder ir, ainda assim estarei torcendo por vocês.

– Obrigado, hyung. – Sorriu-lhe Kyuhyun, um tanto frio. – Eu estou ansioso, mas não tem muito mais o que dar errado. Só se nós dois desmaiarmos no palco.

– Vai dar tudo certo. – Afirmou Yoochun.

– Não quer jantar com a gente? – Indagou Changmin assim que voltou da cozinha.

– Eu preciso mesmo ir embora, eu janto em casa.

– Vamos, eu te levo até o elevador.

Kyuhyun suspirou pesadamente fitando seu namorado se afastar em direção ao elevador. Depois de um abraço rápido, Changmin se despediu de Yoochun que pouco antes da porta do elevador fechar, atendeu a um telefonema de seu namorado o avisando que já tomara seu caminho para casa. Quando Changmin voltou ao seu apartamento não encontrou Kyuhyun na sala, e o barulho do chuveiro o indicou onde ele se encontrava, assim, Changmin tratou de preparar sanduiches que serviriam de jantar aquela noite. Kyu não era de se demorar no banho, no entanto naquela noite, mesmo quando a mesa já estava servida o rapaz ainda continuava no banheiro.

Changmin estranhou a situação, Kyu andava distante, mas não a ponto de se trancar no banheiro. Ele deixou a cozinha e seguiu para seu quarto, vendo as roupas que seu namorado usava aquele dia sobre a cama e as pegou, jogando as mesmas no cesto de roupas sujas, antes de adentrar o banheiro. Kyu estava no box, deixando a água escorrer sobre si, com ambas as mãos na parede apoiadas. Changmin bateu a porta para anunciar sua presença e disse baixinho:

– Príncipe? Está tudo bem?

Kyu assentiu, em seguida desviando seu olhar ao rapaz.

– Quer conversar, meu príncipe?

– Acho que você tem razão, eu passo tempo demais com o Siwon.

– Por que está dizendo isso?

– Só concluí isso hoje. – Kyu afastou a água de seu rosto e não deu continuidade ao assunto.

– Você está agoniado por causa da banca?

– Acho que sim. – Disse Kyuhyun finalmente manuseando o sabonete para se lavar.

– As coisas vão melhorar, nós vamos ter férias coletivas, não se preocupe. – Afirmou Changmin se aproximando do rapaz. – Quer me contar alguma coisa?

– Do que está falando?

– Nada em específico. – Afirmou Changmin com ar desconfiado. – Como foi com o Siwon hoje?

– Eu já disse, ele corrigiu o meu artigo, nós tomamos uma taça de vinho e conversamos, nada demais. – Afirmou Kyu. – E o que você ficou fazendo aqui com o Micky-hyung?

– Ficamos assistindo um filme e conversando. – Afirmou Changmin. – Nada demais.

– Reparou como você tem ficado mais tempo fora com Yoochun-hyung?

– Ficar em casa te esperando não me parece o melhor programa para um sábado a noite.

– Ache que nós tivéssemos combinado uma trégua sobre esse assunto.

Changmin deu as costas ao rapaz e saiu do banheiro, o deixando ali. Fora assim desde a última discussão deles, antes que as coisas piorassem, Changmin dava as costas ao seu namorado, sem ter certeza dos efeitos que sua frieza causavam nele. Kyu amava ter seu namorado consigo, ao mesmo tempo em que detestava aquele tipo de conversa. Ele gostava do fato de Changmin não mais se sentir mal com sua ausência, assim como detestava aquela proximidade com o hyung.

Quando Kyu voltou à sala, encontrou Changmin sentado no chão próximo a porta da sacada, fitando a neve que caía com intensidade do lado de fora. Ele se ajoelhou ao lado do rapaz, percebendo o quão chateado este ficara com aquela conversa no banheiro. Changmin tinha um prato com farelos de sanduiche e ele comia um sem pressa alguma. Quando Kyu parou ao seu lado, Changmin desviou o olhar e disse baixinho:

– Eu comi o seu sanduiche, você vai ter que fazer outro.

– Guloso. – Disse Kyuhyun sorrindo discreto, se sentando ao lado de seu amado e repousando a cabeça em seu ombro. – Conta pra mim, o que você conversa com o Yoochun-hyung.

– Você não me conta o que conversa com o Siwon.

– Quer saber o que eu conversei com ele hoje?

– Quero.

– Hoje, eu e o Siwon falamos da minha primeira vez, de como ela foi especial. – Disse Kyuhyun erguendo o olhar. – Pronto, você já pode ficar com ciúmes.

– Eu e o Yoochun-hyung ficamos falando sobre você, a sua amizade com o Siwon e sobre o fato de que o Junsu-hyung trabalha demais. – Disse Changmin, mordendo outro pedaço de seu sanduiche.

– Você não tem mais ciúme do Siwon?

– Tenho. Mas é pior quando eu tenho a sensação de que você está escondendo algo de mim, do que quando você é sincero.

– Não fica chateado. – Disse Kyuhyun agarrando o braço de seu namorado e se deitando novamente sobre seu ombro. – Nós não vamos estudar hoje, vamos descansar.

– Tem certeza?

– Absoluta.

Aquela foi a última noite daquela semana que os dois rapazes tiveram algum descanso, pois os preparativos para a banca final tomaram suas energias. A conta bancária de Kyuhyun ficou mais cheia com a entrega de seu artigo, no entanto, ele não tivera tempo de comemorar aquilo, em função do grande dia para o qual eles se prepararam o ano inteiro. A monografia finalmente foi impressa, em três versões, como capa dura em bordô e de veludo, e com o título em dourado.

A banca seria composta por três professores, dos quais, dois não gostavam de Changmin quando deram-lhe aula e o terceiro era Siwon, que tinha um problema muito maior com o rapaz. Eles apresentariam sua tese em um auditório que foi aberto a convidados, entre eles, Donghae e Hyukjae que não perderiam o grande momento de Kyuhyun. Jaejoong iria matar aula para apoiar seu amigo, e levaria seu namorado Yunho consigo.

Naquela noite fria, o casal trajava seus melhores ternos, e gravatas perfeitamente enlaçadas em seu pescoço pelas mãos habilidosas de Donghae. Os cabelos bem penteados, e em mãos apenas o notebook com a apresentação de slides exaustivamente revisada e as fichas que usariam como lembrete. Eram apenas duas bancas por noite e a de Kyuhyun e Changmin seria a primeira da classe, sendo que os rapazes tinham que sozinhos preencher uma hora e meia de apresentação.

O casal, como de costume, comeu uma salada de frutas na cafeteria para que não sofressem nenhum imprevisto no palco, por mais que estivessem os dois sem apetite algum. Eles deram as mãos e atravessaram o edifício até chegarem ao auditório que já tinha um burburinho em seu interior. O colega da banca seguinte andava pelo corredor de um lado a outro repetindo o que diria em sua apresentação. Kyu apertou a mão de seu namorado, o puxando para próximo de si, vendo Changmin suspirar nervoso.

– Você está pronto, Changminie?

– Estou, meu príncipe, e você?

– Eu estou. – Disse Kyuhyun soltando a mão de seu namorado e o envolvendo pelos ombros. – Nós vamos ficar bem, somos os melhores alunos da sala.

– Não, Kyu, você é. – Discordou Changmin o envolvendo pela cintura. – Eu prometo não estragar tudo.

– Eu te amo.

– Eu também te amo.

Eles selaram os lábios demoradamente, em um desejo mútuo de boa sorte, e adentraram o auditório de mãos dadas. Jaejoong acenou para os dois, e Hyukjae ergueu os dedos cruzados, os fazendo sorrir. Os professores já estavam acomodados em uma grande mesa, e a monografia dos dois estava fechada sobre a mesa, além de fichas de avaliação com canetas vermelhas ao lado e taças cheias de água.

Sua apresentação estaria bem sucedida, caso não houvesse questionamentos no final. Changmin não imaginava que no final das contas poderia ficar tão nervoso, suas mãos tremiam e ele contava suas fichas repetidas vezes para ver se estavam todas ali. Kyuhyun arrumou o notebook no projetor e suspirou mais aliviado quando sua apresentação de slides apareceu ali, cada um carregava um pendrive no bolso interno do terno para emergências.

Os professores fizeram algumas anotações e então os disseram para subir ao palco e ao longe, o casal via seus amigos tão ansiosos quanto eles. Tanto Changmin quanto Kyuhyun gaguejaram e se atrapalharam algumas vezes, e quando suas memórias falharam, um complementou sutilmente a fala do outro, de forma que demonstrou que ambos tinham compreensão do assunto. E desta forma, com os dois rapazes se intercalando entre falas, explanações e demonstrações de dados, a apresentação de ambos terminou, fechando em um tempo pouco menor do que o indicado.

Eles voltaram-se para a banca e concluíram, reverenciando primeiramente os professores e em seguida a plateia que aplaudia. Aquele era o momento mais assustador da banca, os comentários, eles ressaltariam suas falhas e Kyu ainda temia ter deixado algo passar aos seus olhos. Changmin por outro lado precisava vencer as expectativas dos professores e desaparecer com o estereótipo de aluno desleixado que ainda o perseguia para que sua apresentação fosse bem sucedida.

– Acho que eu já posso adiantar que vocês foram muito bem.  – Começou o primeiro professor, vendo o nervosismo dos dois alunos diminuir. – Sobre a monografia, eu não tenho nada a acrescentar, está perfeita então vou passar para o próximo que vai avaliar a apresentação de vocês.

– Changmin, meu rapaz, como você mudou. – Disse o professor que indicou Kyu para o estágio no tribunal de contas. – Você tirou zero em três das minhas provas e agora, aqui está você, ciente de um assunto complicado, falando com tanta propriedade, você mudou muito. Kyuhyun não me surpreendeu em nada, eu não esperava menos de você. Eu sempre soube que você tinha potencial, rapaz, e a sua monografia, se bem desenvolvida, dá uma boa tese de mestrado.

– Obrigado. – Disseram Changmin e Kyuhyun em uníssono, colando mais os corpos quando o braço de Changmin envolveu o corpo de seu namorado que colocou a mão para trás e segurou a dele.

– Eu vou, primeiramente, ignorar o nervosismo de vocês porque isso é comum. – Continuou o docente. – A única coisa que eu vou corrigir na apresentação de vocês, são os dados. Vocês se demoraram muito neles e poderia ter ficado mais resumido, para a apresentação ficar mais dinâmica. Vocês foram dinâmicos, mas esta parte se arrastou e ficou destoada do resto.

– Professor, se me permite. – Interrompeu Siwon. – Esta parte foi uma orientação minha para que fosse feita desta maneira, em função da importância que esses dados tinham na pesquisa como um todo.

– Eu compreendo. – Disse o professor, riscando algo que havia escrito. – A minha avaliação é esta, é a sua vez, professor Siwon.

– Foi um ano difícil, não foi? – Começou Siwon, deixando sua caneta sobre a mesa e apoiando os cotovelos sobre a mesa, unindo as mãos. – No entanto aqui está o resultado de todo esforço de vocês, e concordando com o meu colega, eu não esperava menos de vocês como dupla. Eu não tenho nada a dizer senão parabenizar vocês e elogia-los como alunos. Nada passou despercebido, nenhuma das minhas orientações foram deixadas de lado ou feitas de forma inadequada ou desleixada. Acho que este é o momento de nós decidirmos a nota de vocês, então eu vou pedir para esperarem lá fora.

Kyuhyun e Changmin assentiram, e deram as mãos ao saírem silenciosos do palco. Desta vez o nervosismo era ainda maior, pois, por mais que não tenham ocorrido questionamentos, o que indicava um bom trabalho, eles ainda não sabiam qual seria sua nota. Eles deixaram o auditório sentido o suor frio nas mãos um do outro e quando fecharam a porta atrás de si, Kyuhyun suspirou pesadamente, por alguns instantes, Changmin acreditou que ele fosse desabar em prantos. O mais alto sentou-se em um dos bancos próximos a entrada do auditório e puxou seu namorado pela cintura para que este se acomodasse em seus braços.

Não demorou mais de cinco minutos para eles serem chamados de volta, no entanto, para os dois aquilo pareceu pelo menos meia-hora. O auditório em silêncio quando eles adentraram não alterou em nada a seu nervosismo, tampouco as feições ansiosas de seus amigos que não conseguiram ouvir a nota, em nada os tranquilizou. Eles subiram ao palco mais uma vez e foi Siwon quem voltou a falar:

– Eu e os professores discordamos apenas em uma coisa, eu acreditava que vocês deveriam ganhar notas individuais e eles que deveriam ganhar uma única nota para a dupla. Entretanto, a nota é uma média das nossas três avaliações e a minha não faria a menor diferença, nós decidimos deixar o trabalho de vocês com a nota máxima.

Kyuhyun e Changmin soltaram o ar pesadamente, enquanto abriam um largo sorriso de satisfação. Era o que eles desejavam ouvir, que fechariam sua graduação com uma nota dez em seus históricos escolares. Siwon fez uma pausa, e os esperou se recuperarem antes de dar continuidade ao seu breve discurso:

– Meus parabéns, a monografia de vocês vai ficar exposta na biblioteca para consulta. – Afirmou Siwon, finalmente abrindo um sorriso direcionado a Kyuhyun. – Vocês tiraram dez, podem comemorar.

Kyu e Changmin haviam combinado sua saída, e assim como previram, eles cumprimentaram os professores com um aperto de mão, juntaram suas coisas e rumaram para a saída, sendo seguidos por seus amigos que sorriam animados. Assim que a porta do local se fechou, Kyu jogou-se nos braços de seu namorado que colou os lábios aos dele, o enchendo de selares estalados, enquanto segurava o rosto do mesmo.

Kyu retribuiu a cada beijo, rindo-se entre eles e o agarrando pelo pescoço quando o mais alto o segurou pelas coxas e o ergueu no ar, rindo divertido. Kyu agarrou-se com força a Changmin, enquanto lágrimas escorriam tímidas por seu rosto, molhando seu sorriso mais aberto. Cada discussão com Changmin parecia ter valido a pena, enquanto o mais alto nunca se sentira tão grato por Kyu ter adentrado em sua vida e o ensinado o que era ser um bom aluno.

Quando Kyu voltou ao chão e soltou o abraço com Changmin, Donghae abriu os braços e Kyu correu para ele. Jaejoong abraçou Changmin, e assim seus amigos os parabenizaram, entre risos animados. Siwon então saiu do auditório e discretamente adentrou o grupo, a fim de parabenizar Kyuhyun sem delongas, uma vez que teria outra banca para julgar dali poucos minutos. Changmin conversava animado com Jaejoong e Yunho, e não percebeu seu namorado se afastar da roda e abraçar Siwon.

– Eu estou tão orgulhoso de você, meu menino. – Disse o professor.

– Sabe que você ia apanhar de mim se tivesse diminuído a nota do Changminie né?

– Eu sei. – Disse Siwon acariciando a nuca do rapaz com a ponta dos dedos. – Vá comemorar com os seus amigos, eu ainda vou ter uma noite longa.

– Obrigado Wonie, por tudo. – Disse Kyuhyun se afastando brevemente para fita-lo.  – Não só por este ano, mas por tudo mesmo.

– Você fez por merecer.

Assim que Siwon terminou a frase, Changmin que não estava disposto a brigar naquele dia se aproximou dos dois. Kyu soltou o abraço e fitou Siwon apoiar a mão no ombro de Changmin, buscando palavras para parabenizar o rapaz. No entanto, sua antipatia pelo mesmo falou mais alto, então ele disse cordialmente:

– Parabéns, Changmin.

O professor se afastou, deixando Kyuhyun satisfeito e Changmin surpreso. Eles não falaram do assunto por aquela noite, na qual apenas comemorariam sua vitória, afinal, de agora em diante, sua única preocupação acadêmica era qual a cor de gravata que eles usariam na noite de formatura. Aquela noite eles ficaram no Candy Bar até o amanhecer, comemorando com seus amigos, e fazendo companhia um para o outro.

Naquela noite, Kyu e Changmin ficaram grudados, como faziam no começo do namoro. Mesmo depois que Junsu, Yoochun e o próprio Siwon juntou-se a eles na área vip, o casal tratou de curtir a companhia um do outro como há muito não faziam. Naquela noite, eles deixaram de escanteio seu lado profissional e acadêmico para assumirem uma postura da qual ambos sentiam falta, mais do que nunca, eles eram novamente um casal.

A primeira parte da noite, eles dançaram, até seus corpos suados gritarem de cansaço. Então eles se uniram aos seus amigos e conversaram sobre a banca e a monografia, o que certamente tranquilizou Jaejoong que logo teria sua própria apresentação. Yoochun e Junsu foram os primeiros a deixarem o local, uma vez que o segundo estava demasiadamente cansado para ficar a noite toda ali. Siwon aproveitou a carona e depois de outro abraço em Kyuhyun seguiu para seu apartamento.

Quando Yunho e Jaejoong se perderam na pista de dança, Kyuhyun e Changmin acomodaram-se no colchão d’água onde passaram o resto da noite entre beijos. Não havia lascívia no que eles faziam, eram apenas os toques dos quais eles sentiam tanta falta, seus lábios que brincavam um sobre o outro demoradamente, sugando-se mutuamente. E é claro, seus corações que batiam em uníssono.

Finalmente aquele amor que ambos sentiam parecia renovado, uma vez que suas responsabilidades que antes sufocavam aquele sentimento haviam diminuído drasticamente. Kyu então entendeu do que exatamente ele sentira falta nas duas últimas semanas e que o deixavam melancólico, e frágil, assim como Changmin pôde demonstrar o que tanto cobrava do rapaz. Em momentos como aquele, não havia ciúme ou mágoa que prevalecesse, eram apenas os dois, provando um ao outro que ainda havia algo que os sustentava e os unia, e acima de tudo, provava que eles ainda se ainda amavam.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s